Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ENERGIA ELÉTRICA

Conta de luz deve cair 1% com desligamento de térmicas

Redução será possível por conta da melhora na situação dos reservatórios

11 AGO 15 - 14h:41AGÊNCIA BRASIL

O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, afirmou que estima uma queda de cerca de 15% no valor da tarifa extra da chamada bandeira vermelha, provocada pelo desligamento de usinas térmicas, cuja geração é mais cara.

O impacto no valor final da conta de luz do consumidor será próximo de 1%.

As bandeiras amarela e vermelha são tarifas pagas a mais pelos consumidores quando há nível elevado de geração de energia por termelétricas. Como o custo de gerar por térmicas (média acima de R$ 400 por Megawatt/hora) é maior que o de gerar por hidrelétricas (média abaixo de R$ 100 por Megawatt/hora), o consumidor paga a diferença.

Caso não houvesse uso de térmicas, ou se ele fosse pequeno, a bandeira seria verde, sem aumento de custo para o consumidor.

Na semana passada, o governo mandou desligar 21 térmicas que geravam energia mais cara, acima de R$ 600 por Megawatt-hora (MWh). Com isso, haverá uma redução do custo estimado com térmicas de R$ 5,5 bilhões até o fim do ano.

Por causa do custo a menos, o governo imagina que o valor dessa tarifa extra, que desde abril é de R$ 5,50 a cada 100 kilowatt-hora (kWh) consumidos, caia para algo próximo de R$ 4,50.

Não haverá mudanças na tarifa normal cobrada dos consumidores, o que faz com que, em média, o valor total das contas de energia devam se reduzir em algo próximo de 1%.

Em fevereiro, a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) havia aumentado em 83% a tarifa extra na bandeira vermelha, que passou de R$ 3 para R$ 5,50 a cada 100 kilowatt-hora (kWh) consumidos.

Segundo Braga, a redução do valor da bandeira deverá ocorrer a partir de setembro, após uma audiência pública que será conduzida pela Aneel este mês.

Contudo, ainda não é possível rebaixar o custo para a bandeira amarela -em que o aumento é de R$ 2,50 a cada 100 kWh consumidos- por não haver segurança sobre o regime de chuvas.

"Estamos em pleno período seco. Apesar de todo o esforço de recuperação dos nossos reservatórios, não temos ainda segurança [para colocar na bandeira amarela]. Esse é um primeiro passo de um ciclo de redução de tarifa", disse Braga.

Perguntado se as constantes mudanças no valor da bandeira causariam insegurança para consumidores e produtores de energia, Braga respondeu que o espírito da bandeira é evitar que os aumentos aconteçam apenas nas revisões tarifárias anuais.

"A bandeira cria essa flexibilidade de não carregar [o custo para] o consumidor ao longo do ciclo tarifário. Não é justo que o consumidor continue sendo onerado por um custo que já não está mais acontecendo".

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Ajuste da bandeira tarifária representa alta de até 50% para atual nível amarelo
ENERGIA ELÉTRICA

Ajuste da bandeira tarifária representa alta de até 50% para atual nível amarelo

Litro da gasolina será vendido a R$ 2,50 no sábado em Campo Grande
FEIRÃO DO IMPOSTO

Litro da gasolina será vendido a R$ 2,50 no sábado na Capital

Governo divulga novos valores da Uferms e UAM para o mês de junho
ECONOMIA

Governo divulga novos valores da Uferms e UAM para junho

Um ano após a greve, diesel <BR>está 2,8% mais barato em MS
CAMINHONEIROS

Um ano após a greve, diesel está 2,8% mais barato em MS

Mais Lidas