Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PIB

Governo deve reduzir previsão de crescimento da economia em 2019

Governo deve reduzir previsão de crescimento da economia em 2019
24/06/2019 17:02 - AGÊNCIA BRASIL


O Ministério da Economia vai reduzir a expectativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos no país) de 2019. A revisão deve constar no próximo Relatório Bimestral de Receitas e Despesas, que será divulgado em julho, segundo informou hoje (24) o subsecretário de Política Fiscal da Secretaria de Política Econômica da pasta, Marco Cavalcanti, durante coletiva de imprensa para apresentar os dados da arrecadação de maio.

No mês passado, o governo havia projetado alta de R$ 1,6% no PIB, mas o mercado financeiro já fala em crescimento inferior, na faixa de 0,87%. Se confirmada, será a terceira redução consecutiva da perspectiva de crescimento do PIB estimada pelo governo, que chegou a projetar 2,2% de alta em março.  

"Houve uma deterioração muito rápida das expectativas em poucos meses", disse Cavalcanti. "Assim como todo o mercado está revendo, vamos rever nossa estimativa, que será divulgada em breve, por ocasião do relatório de avaliação bimestral [de receitas e despesas]. Muito provavelmente será abaixo da nossa previsão anterior, mas não vamos adiantar números ainda", acrescentou.

Apesar das previsões mais pessimistas para o crescimento da economia, o governo registrou mais um aumento na arrecadação das receitas federais no mês passado. Houve aumento real de 1,92% em maio, na comparação com o mesmo mês de 2018, no melhor resultado para o mês desde 2014.

Felpuda


Político experiente tem repetido que não é o momento de falar em eleições. O momento é de tensão, de incertezas políticas e econômicas – como se o País fosse uma ilha de preocupações cercada pelo coronavírus por todos os lados. Em Mato Grosso do Sul, onde já se registrou morte pela doença e o número de casos só tende a subir, não poderia ser diferente. “É suicídio político para quem ousar falar em eleição neste momento”, conclui. Só!