Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

benefício

Governo amplia até até 2040 regime
de isenção fiscal no setor de petróleo

18 AGO 17 - 18h:30FOLHAPRESS

Em decreto publicado nesta sexta (18), o governo ampliou até 2040 o regime de isenções fiscais para a importação de equipamentos petrolíferos, conhecido como Repetro.

A medida vinha sendo cobrada pelas petroleiras como a última garantia necessária para melhorar a atratividade dos leilões de áreas petrolíferas previstos para este ano.

No decreto, o governo acenou com uma compensação à indústria nacional, derrotada em discussões sobre o compromisso de compras de bens e serviços no pais, ao permitir que insumos fabricados no Brasil também sejam isentos dos impostos federais.

A medida, porém, foi considera insuficiente pela Abimaq (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos), para quem a competitividade do produto nacional permanece prejudicada com a cobrança de ICMS -imposto de competência estadual.

Criado em 1999 para desonerar os investimentos na exploração de petróleo, o Repetro venceria em 2019. Com a prorrogação, os investimentos agora ficarão isentos até 2040.

Além disso, foram feitas mudanças no programa, por meio da MP 795, também publicada no Diário Oficial desta sexta.

"Este é o momento certo, porque as empresas começam a fazer suas avaliações para os leilões (de áreas petrolíferas)", disse nesta sexta o secretário-executivo do IBP (Instituto Brasileiro do Petróleo) Antônio Guimarães.

A entidade diz que as medidas anunciadas melhoram a competitividade do setor petrolífero brasileiro.

Uma delas abre a possibilidade de acelerar a depreciação contábil de ativos ligados à atividade, o que pode resultar em menor pagamento de imposto de renda pelas petroleiras nos primeiros anos da concessão.

O governo não informou o valor da renúncia fiscal. A Abimaq calcula que, apenas entre 2011 e 2013, anos de grande investimento, o governo deixou de arrecadar R$ 30 bilhões com a isenção de tributos prevista pelo programa.

Em nota, o Ministério da Fazenda afirmou que a prorrogação do Repetro "se justifica porque os investimentos no setor de óleo e gás têm longo ciclo de maturação, de forma que se impõe estabelecer horizonte com regras claras e estáveis para fomentar esses investimentos".

PRESSÃO

A inclusão de bens de fabricação nacional entre os isentos foi outra novidade, fruto da pressão feita pela indústria nacional após a revisão dos índices de conteúdo local (compromisso contratual de compras de bens e serviços no Brasil).

Em fevereiro, o governo anunciou a redução à metade dos percentuais obrigatórios, diante do argumento de que não há capacidade para produzir no país a preços e prazos competitivos.

"Não queremos compensação, queremos isonomia para concorrer com os importados", disse nesta sexta o presidente da Abimaq, José Velloso. Segundo ele, com a permanência do ICMS, o produto nacional fica pelo menos 18% mais caro do que o importado.

A isenção deste imposto, porém, depende dos Estados, que passam hoje dificuldades financeiras.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Em MS, 31,4 mil devem atualizar cadastro para ter desconto na energia
CATEGORIA RURAL

Mais de 31 mil devem atualizar cadastro para desconto na luz

Feira de calçados será aberta <ve>neste domingo na Capital
ECONOMIA

Feira de calçados será aberta neste domingo na Capital

Estudante de medicina abandona amigo ferido após carro capotar
PONTA PORÃ

Estudante abandona amigo ferido após carro capotar

Campanha de vacinação contra a febre aftosa termina neste sábado em MS
BOVINOS E BUBALINOS

Campanha de vacinação contra a febre aftosa termina

Mais Lidas