Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Projeções revistas

Governo admite reduzir expectativas de crescimento da economia para 2017

28 JUN 17 - 14h:31G1

A estimativa do governo para o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil neste ano deve ser revisada para baixo nas próximas semanas, segundo informações do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. A piora nas expectativas acontece em meio a incertezas em torno da crise política envolvendo o governo de Michel Temer.

A previsão anterior era de que a economia cresceria 0,5% neste ano. Essa projeção já era uma redução, visto que a estimativa anterior era de 1%.

Segundo o ministro, o impacto das incertezas da crise política na formação das expectativas também fará o governo revisar a projeção de ritmo de crescimento da economia no final do ano. Antes, a previsão de crescimento do PIB no 4º trimestre na comparação com o ano passado era de 2,7%. Nesta quarta, o ministro disse que agora prevê 2% "na margem".

As declarações foram feitas pelo ministro em São Paulo em entrevista coletiva realizada nesta tarde.

Aumento de impostos

Meirelles voltou a dizer que, se necessário, o governo aumentará impostos para garantir o cumprimento da meta fiscal. O ministro, no entanto, afirmou que ainda não há nenhuma decisão definitiva nesse sentido.

Questionado por jornalistas se o governo pretende aumentar as Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE), Meirelles disse que ainda não há decisão tomada.

Na semana passada, Meirelles já havia dito que existe a possibilidade de aumentar impostos, se o governo julgar necessário.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ECONOMIA

Intenção de consumo das famílias recua pelo quarto mês, diz CNC

Prefeitura da Capital fica mais longe do limite prudencial da LRF
GASTOS COM PESSOAL

Prefeitura da Capital fica mais longe
do limite prudencial da LRF

BRASIL

Mansueto: mesmo com reforma, governo não retomará investimentos por 3 ou 4 anos

ECONOMIA

Portaria regulamenta revisão de benefícios do INSS

Mais Lidas