Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PROTESTO

Funcionários dos Correios iniciam greve

Em MS. 1,3 mil devem aderir; Serviços serão prejudicados
11/09/2019 11:49 - RAFAEL RIBEIRO


 

Funcionários dos Correios iniciaram nesta quarta-feira (11) a greve geral da categoria. Entrega de correspondências e outros serviços prestados pela estatal poderão ficar prejudicados. A decisão dos servidores se dá pelo fato do fracasso nas negociações salariais.

Em Mato Grosso do Sul, a expectativa do Sindicato dos Trabalhadores nos Correios, Telégrafos e Similares do Estado é que 1.300 funcionários devam aderir à greve. Na Capital e em Dourados, o Sintect-MS organizou tendas nas portas das principais agências paras mostrar as reivindicações à população.

Com data-base em 1º de agosto deste ano, as negociações salariais tiveram início ainda em julho, porém, o Tribunal Superior do Trabalho entrou na mediação após proposta de reajuste de 0,8%, quando a inflação para o período seria de cerca de 3,5%,.

“Estávamos em negociação e já havia indicativo de paralisação, mas o TST mediou prazo de negociação até o último dia 31, porém, não houve avanço. A empresa se negou a continuar negociando, mesmo com mediação. Além do reajuste abaixo da inflação, a empresa quer a retirada de cláusulas da Convenção que darão prejuízo de mais de R$ 6 mil anuais para o trabalhador”, disse a presidente do sindicato no estado, Elaine Regina de Souza Oliveira

Por meio de nota, os Correios apontam que a empresa participou de dez encontros na mesa de negociação, quando a real situação da estatal teria sido apresentada, além de propostas para o acordo “dentro das condições possíveis, considerando o prejuízo acumulado na ordem de R$ 3 bilhões”.

“Mas as federações, no entanto, expuseram propostas que superam até mesmo o faturamento anual da empresa, algo insustentável para o projeto de reequilíbrio financeiro em curso pela empresa”, diz o texto.

Felpuda


Tudo indica que o MDB não conseguiu convencer o PSDB de iniciar namoro com vistas a casamento nas eleições, e a ideia teria sido descartada. Os tucanos demonstraram que o problema deles não é o cargo: os emedebistas ofereceram a vaga de vice na disputa à Prefeitura de Campo Grande, a mesma cobiçada pelos tucanos, mas na chapa do PSB do atual prefeito. A questão, politicamente falando, seria, digamos, o oferecido “noivo”. Afe!