RIO NEGRO

Frigorífico será 1ª indústria de município de MS com investimento de R$ 2,5 milhões

Governo ajudou na aquisição da área com recursos do Fadefe
18/01/2020 11:01 - RICARDO CAMPOS JR.


 

O frigorífico campo-grandense de suínos Flor da Serra quer expandir as atividades e investirá R$ 2,5 milhões em Rio Negro para a construção de sua segunda unidade, que vai trabalhar com bovinos e será a primeira indústria do município localizado a 163 quilômetros da Capital.

A quantia é considerada significativa para o Governo do Estado, já que a cidade tem apenas 5 mil habitantes. Há expectativa de que sejam gerados 100 empregos, diretos e indiretos. Quando estiver pronta, a planta terá capacidade para abater 100 cabeças diariamente.

Os empresários contaram com ajuda da Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro) para aquisição da área onde será erguido o frigorífico com recursos do Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Econômico e de Equilíbrio Fiscal do Estado (Fadefe).

Jaime Verruck, titular da pasta, se reuniu durante a semana com o prefeito de Rio Negro, Cleidimar da Silva Camargo, e com o empresário Aguinaldo Flávio de Macedo para acertar detalhes do repasse e da implantação. Além da área, o frigorífico deverá entrar na política de incentivo fiscal.

O Fadefe, conforme a assessoria da Semagro, tem por finalidade o apoio a iniciativas que promovam a geração de emprego e renda e melhorem as condições de vida das pessoas. É o retorno do que é pago em fomento à economia estadual.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".