Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ECONOMIA

Frigorífico iniciará abates de até 100 jacarés/dia em MS

28 AGO 17 - 06h:00Redação

Com atraso do projeto em um ano, entra em operação nesta semana, no Pantanal, o maior frigorífico de carne de jacaré no Brasil, o Caimasul. Em 2019, a indústria, instalada em Corumbá, produzirá 400 toneladas de carne desossada do réptil anualmente.

Com captura dos animais da espécie Caiman yacaré da natureza para formação do plantel, por meio da coleta de ovos diretamente dos ninhos catalogados nas fazendas do Pantanal, o complexo industrial vai comercializar a carne com o mercado interno e exportará a pele, com uma linha de produção clássica para concorrer com o aligátor, o gênero norte-americano. O couro do jacaré de cativeiro tem mercado garantido lá fora, segundo o Sebrae.

O frigorífico, situado a 32 km a leste de Corumbá, será inaugurado no dia 21 de setembro, com a presença do ministro da Agricultura, Blairo Maggi, mas iniciará o abate experimental com 50 a 100 animais por dia para ajustes do maquinário e treinamento dos funcionários, segundo um dos sócios, Wilson Girardi, 67 anos. A meta, conforme ele, é chegar a quatro toneladas/dia de carne, com abate de 600 animais, com a finalização das obras em dois anos.

*Reportagem completa de Sílvio Andrade está na edição de hoje do Jornal Correio do Estado.

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Banco Central mantém juros básicos no menor nível da história
ECONOMIA BRASILEIRA

Banco Central mantém juros básicos no menor nível da história

COMPANHIA AÉREA

Procon notifica Gol sobre promoção de passagem a R$ 3,90

Companhia tem 24 horas para responder ao Procon
Produtos tradicionais de festa junina variam mais de 309%
CAMPO GRANDE

Produtos tradicionais de festa junina variam mais de 309%

Russos querem incentivos fiscais dados à Petrobras para assumir UFN3
NEGÓCIO BILIONÁRIO

Russos querem mesmos incentivos dados à Petrobras

Mais Lidas