Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

ICMS

Fim de incentivos fiscais ameaça investimentos
de R$ 5 bilhões

MS disputa com outros estados a atração de, 12 empresas, que se instalariam ainda neste ano

17 AGO 15 - 00h:00DA REDAÇÃO

A possibilidade do fim da política de incentivos fiscais, usada como mecanismo para atração de empresas, ocorre no momento em que Mato Grosso do Sul disputa com outros estados a instalação de 12 empreendimentos, que estimam investir a soma aproximada de R$ 5 bilhões. A concessão de benefícios tributários, considerada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal (STF), pode deixar de existir em razão de súmula vinculante a ser publicada por essa corte, e devido à unificação das alíquotas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) em 4%. Por meio de incentivos, o Estado atraiu o total de 695 empresas, com investimentos próximos de R$ 56 bilhões. 

A unificação da alíquota do ICMS é prevista no Projeto de Resolução do Senado (PRS) 001/2013, que ainda não foi votado por pressão de parlamentares dos estados que perderiam receita com a mudança. A aprovação do projeto requer maioria simples do Senado e não passa pela Câmara Federal e nem por sanção presidencial. Com a alíquota única em 4%, estados com desvantagens logísticas teriam menos condições de oferecerem atrativos às empresas. “Unificando as alíquotas, acabou o incentivo fiscal”, enfatiza o secretário de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente, Jaime Verruck.

Mesmo ainda não aprovado o PRS, o cenário já provoca contratempos na atração de novos empreendimentos. “Já estamos tendo dificuldade para captar empresas”, afirmou o secretário. “O empresário começa a fazer a seguinte conta: ‘vou para Mato Grosso do Sul se conseguir ser competitivo sem incentivo fiscal’”, acrescenta. Além disso, há a insegurança jurídica. “Os empresários temem receber incentivos, que deixarão de ser reconhecidos no futuro”, afirmou o secretário. 

(*) A reportagem de Osvaldo Junior está na edição de hoje do Correio do Estado

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

EM ENTREVISTA

Bolsonaro: Não tem aumento de imposto no Brasil

Estado registrou 6.328 demissões em dezembro, aponta Caged
PESQUISA

Estado registrou 6.328 demissões
em dezembro, aponta Caged

BALANÇO

Em 1º ano, Bolsonaro gera mais vagas que Temer, mas fica atrás de Lula e Dilma

Caged: país criou 644 mil novas vagas de trabalho em 2019
EMPREGO

Caged: país criou 644 mil novas vagas de trabalho em 2019

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião