Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ECONOMIA

Fábrica de Dourados da BRF ficará em 'regime especial'

Produtos passarão por testes que confirmem qualidade dos produtos

13 FEV 19 - 16h:11RAFAEL RIBEIRO

Dona das marcas Perdigão e Sadia, a BRF anunciou que sua fábrica em Dourados entrará em 'regime especial' com o anúncio de recolha de lote inteiro de cortes de frangos abatidos no local estarem com suspeita de contaminação pela bactéria Salmonella enteritidis.

Por meio de nota, a BRF disse que "apesar de todas as indicações de que o problema foi pontual e está contornado, continuará por um período operando com a fábrica no que chamamos de regime especial." 

Ou seja, toda produção da planta de Dourados está sendo liberada para comercialização somente após testes laboratoriais que confirmam a qualidade dos produtos. A fábrica entrará em regime normal de operação somente quando a investigação interna das causas da contaminação for concluída e as medidas necessárias para garantir que o problema não ocorra novamente estejam implementadas.

Segundo a empresa, serão recolhidas aproximadamente 164,7 toneladas de carne de frango in natura destinadas ao mercado doméstico, e de outras 299,6 toneladas do produto que seriam vendidas para outros países.

Apesar da produção em Mato Grosso do Sul, o Estado não tem lotes com risco. Os produtos foram comercializados nos estados do Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

Os lotes possivelmente contaminados foram produzidos nos dias 30 de outubro de 2018 e entre 5 e 12 de novembro de 2018, na unidade de Dourados (MS), e receberam o carimbo de inspeção do Serviço de Inspeção Federal (S.I.F. 18 ), vinculado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o que pode ser verificado na embalagem dos produtos.

Por precaução, a BRF optou por recolher todos os lotes. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) foram informadas do ocorrido e da decisão da empresa.

No comunicado, a BRF informa que fora encontrada Salmonella enteritidis, um dos inúmeros tipos de Salmonella existentes, que é uma bactéria encontrada no sistema digestivo de animais e em vegetais plantados em solos contaminados. 

Segundo especialistas, por isso a entrada da empresa no regime diferencial de funcionamento, visto que frangos não possuem esse tipo de bactéria quando vivos, ou seja, a carne se contamina somente após o abate do animal.

"Importante reforçar que a Salmonella é eliminada quando o produto é cozido, frito ou assado completamente e, nestes casos, não causa danos à saúde humana", ressaltou a empresa. 

Ainda de acordo com ela os utensílios utilizados para manipular qualquer produto que tenha a presença da bactéria também devem ser higienizados para evitar qualquer tipo de contaminação, conforme descrito nas embalagens. Casos estes cuidados não sejam respeitados, a Salmonella enteritidis representa risco à saúde, podendo causar infecção gastrointestinal cujo sintomas mais comuns são: dores abdominais, diarreia, febre e vômito.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Fiscais defendem gratificação de “produtividade” para aposentados
VERBA EXTRA SOB AMEAÇA

Fiscais defendem gratificação de “produtividade” para aposentados

PLATAFORMA DIGITAL

Resgate eletrônico de depósitos judiciais chega a 12 estados

BRASIL

Após ser criticado, governo recua de decisão de excluir 17 ocupações do MEI

Tarifa de pedágio da ponte sobre Rio Paraguai aumenta 2,83% em janeiro
PREPARE O BOLSO

Tarifa de pedágio da ponte sobre Rio Paraguai aumenta 2,83% em janeiro

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião