Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

ECONOMIA

EUA e China assinam fase 1 de acordo para trégua em guerra comercial

15 JAN 20 - 18h:42AGÊNCIA BRASIL

A China e os Estados Unidos assinaram nesta quarta-feira (15), na Casa Branca, um acordo inicial para ultrapassar as disputas comerciais entre os dois países, após meses de uma crise que abalou a economia mundial. Durante a assinatura, Donald Trump frisou os esforços para "reparar erros do passado" e o seu homólogo chinês disse esperar que os EUA tratem "com justiça" as empresas da China.

“Juntos estamos a reparar os erros do passado e a proporcionar um futuro de justiça econômica e de segurança para os trabalhadores, agricultores e famílias dos Estados Unidos”, declarou o presidente norte-americano, lado a lado com o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He.

Trump disse ainda que começará a trabalhar na segunda fase deste acordo “assim que a poeira assentar” e disse esperar que não haja uma terceira fase. "Este é um fantástico acordo para os Estados Unidos", acrescentou.

Trump procurou um tom conciliador durante a cerimônia na Casa Branca, dizendo que entende a posição de negociação dura por parte da China e mostrou-se receptivo a "tudo fazer para que as divergências que ainda existem sejam superadas", sem culpar diretamente a parte chinesa pelas dificuldades nas rodadas de conversas diplomáticas.

"Eu não culpo a China. Culpo as pessoas que estiveram aqui [na Casa Branca] no passado", disse Trump, acusando governos anteriores de nunca terem tentado um acordo comercial com a China.

Já o presidente da China, Xi Jinping, defendeu, em uma carta lida pelo seu vice, que a assinatura deste acordo inicial demonstra que as duas potências conseguem resolver as suas diferenças e encontrar soluções com base no diálogo.

“As duas partes devem cumprir com o acordo comercial de modo a alcançar maiores progressos na cooperação bilateral”, disse o presidente chinês. “Espero que os Estados Unidos tratem as empresas da China com justiça”.

“Espero também que os Estados Unidos apoiem a colaboração entre escolas, institutos de investigação e empresas dos dois países”, declarou Xi Jinping, que garantiu estar disposto a permanecer em contato próximo com Donald Trump.

O que diz o acordo?

Segundo o acordo, a China compromete-se a importar um total de 200 mil milhões de dólares (180 mil milhões de euros) em bens oriundos dos Estados Unidos, incluindo produtos agrícolas, para reduzir o déficit comercial entre os dois países.

Ao mesmo tempo, a China compromete-se a não manipular o valor da moeda e a proteger a propriedade intelectual das empresas norte-americanas, em troca de uma suspensão parcial das taxas alfandegárias impostas por Washington sobre bens importados da China.

No entanto, o acordo não anula a maior parte das taxas punitivas impostas pelos EUA sobre US$ 360 mil milhões de produtos importados da China e exclui reformas profundas no sistema econômico chinês, incluindo a atribuição de subsídios às empresas domésticas, enquanto as protege da competição externa.

Os Estados Unidos vão assim manter taxas alfandegárias adicionais de 25% sobre US$ 250 bilhões de dólares de bens importados da China e de 7,5% sobre mais US$ 120 bilhões.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Seguradora diz ter recebido 386 mil pedidos de restituição do Dpvat
SEU BOLSO

Seguradora diz ter recebido 386 mil pedidos de restituição do Dpvat

Contrato Verde e Amarelo gera dúvidas; veja como proceder
TRABALHO

Contrato Verde e Amarelo gera dúvidas; veja como proceder

Governo retoma parceria público-privada da Sanesul
SANEAMENTO

Governo retoma parceria público-privada da Sanesul

Dólar fecha acima de R$ 4,19, no maior valor desde início de dezembro
MERCADO FINANCEIRO

Dólar fecha acima de R$ 4,19, no maior valor desde início de dezembro

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião