Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

REFLEXOS

Estado tenta empréstimo internacional de R$ 1 bilhão para equilibrar contas

Arrecadação de MS em 2020 tem estimativa de prejuízo de R$ 1,4 bilhão
07/04/2020 09:00 - Eduardo Miranda, Súzan Benites


 

O governo de Mato Grosso do Sul projeta um rombo de R$ 1,4 bilhão na receita com impostos prevista para este ano, por causa da desaceleração econômica do Estado causada pelas medidas de isolamento para conter o avanço do novo coronavírus (Covid-19). Já prevendo perder o montante significativo, o governador Reinaldo Azambuja negocia empréstimo de R$ 1 bilhão (US$ 200 milhões) com bancos internacionais.  

Para isso, dependerá da aprovação da medida de socorro aos Estados, o Plano Mansueto, em pauta desde o ano passado e que deve ser votado nesta terça-feira no Congresso Nacional.  

Em alguns setores da economia, essenciais para a receita de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), a queda na receita chega a 40%. “É o caso de setores como combustíveis, energia elétrica”, disse o governador Reinaldo Azambuja em entrevista ao telejornal MS1, da TV Morena.

Durante a entrevista, Azambuja disse que o Estado depende 90% da arrecadação do ICMS para sobreviver.  

“Estamos analisando a prorrogação do ICMS para o microempreendedor e para as pequenas empresas. O governo federal garantiu o fundo de participação dos estados, tem estado que depende 70% do fundo, MS não. O Estado sobrevive de ICMS, 90% da nossa receita é com esse imposto”.

Apesar da projeção de perdas, conforme as informações do Portal da Transparência, a arrecadação estadual em março, contabilizando apenas as receitas, foi maior que no mês imediatamente anterior.  

Em fevereiro, Mato Grosso do Sul arrecadou um total de R$ 1,275 bilhão. Enquanto em março, quando começaram as medidas de isolamento social, a receita total teve R$ 232 milhões a mais, somando R$ 1,507 bilhão.

O ICMS arrecadado pelo Estado também foi maior no comparativo mensal. Em fevereiro, foram R$ 478, 740 milhões com a principal receita de MS, já em março o montante chegou a R$ 536,758 milhões.

EMPRÉSTIMOS

Outros estados já fazem movimentações semelhantes neste sentido. São Paulo, por exemplo, já articula empréstimo de US$ 100 milhões com o Banco Mundial. O dinheiro, caso liberado, será utilizado para investimentos na área da saúde.

Já o estado de Santa Catarina, informa o jornal O Globo, articula crédito de US$ 344 milhões com o Bank of America.

Pará, Ceará e Rio Grande do Norte também têm projetos para crédito internacional.  

Todos eles dependem do Plano Mansueto. No caso de novos financiamentos, o gargalo é a exigência de aval do Tesouro Nacional, que não pode ser concedido hoje por causa da fragilidade fiscal de muitos governos estaduais. A expectativa é de que a aprovação do chamado Plano Mansueto, que flexibiliza essas regras e deve ser votado na Câmara nesta terça-feira, permita um reforço nos recursos para fazer frente à pandemia.

Governo e Assembleia liberam R$ 20 milhões a municípios 

Os Fundos Municipais de Saúde dos 79 municípios de Mato Grosso do Sul vão receber R$ 20 milhões dos R$ 36 milhões destinados aos deputados estaduais por meio de emendas parlamentares.  

Segundo o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), os recursos poderão ser usados livremente pelos prefeitos para as ações de combate à pandemia da Covid-19.  

A medida foi possível por meio de um acordo firmado entre Azambuja e o deputado estadual Paulo Corrêa, presidente da Assembleia.  

Reinaldo Azambuja destacou que a iniciativa é dos próprios parlamentares e que não existe burocracia envolvendo o uso dos recursos, os quais serão depositados e automaticamente os prefeitos poderão utilizá-los na gestão da Saúde.

“Eu fui procurado pelo presidente da Casa (Paulo Corrêa), pelos líderes e por todos os deputados. Nós acordamos com a Assembleia Legislativa em destinar mais de R$ 20 milhões para os 79 municípios. É um ato dos deputados que destinaram grande parte das emendas [para os fundos municipais de saúde]”, disse Azambuja durante entrevista. 

 

Felpuda


A tal estratégia de jogar informações nas redes sociais com objetivo de prejudicar adversários está começando a gerar reações. Uma dessas figurinhas vai ter de explicar, na Justiça, o por quê de postagem trazendo suspeitas pesadas contra cabeça coroada, que não gostou nadica de nada de ver o seu nome sendo usado como “bucha de canhão” para fins eleitoreiros. Vem chumbo grosso por aí! E sai debaixo!...