Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

EMPREGOS

Estado criou 917 vagas em setembro, aponta Caged

Dourados foi a cidade que mais influenciou positivamente no emprego formal e Maracaju teve o pior resultado

17 OUT 19 - 17h:20SÚZAN BENITES

Mato Grosso do Sul criou 917 empregos formais no mês de setembro. As atividades econômicas que mais criaram vagas no período foram a agropecuária, comércio e construção civil. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado nesta quinta-feira (17) pela Secretaria de Trabalho da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia. 

Até setembro o Estado acumula 19.170  novas vagas de emprego formal, com 199.022 admissões e 179.852 demissões. Enquanto nos últimos 12 meses o saldo ficou positivo em 9.049 empregos. Em setembro  o saldo acumuladode 917 empregos é resultado de 19.899 admissões e 18.982 demissões, variação de 0,18% em relação ao mês anterior. 

O setor de atividade econômica que gerou mais empregos com carteira assinada foi  a agropecuária, com 342 vagas. Na sequência, estão o comércio, com 249  postos de trabalho, construção civil com 150,  serviços (118), indústria de transformação (45), extrativa mineral (18) e administração pública (3).  O único setoer que registrou saldo negativo foi o de serviços industriais e de utilidade pública (-8), resultado de 116 demissões e 108 admissões.

Dourados foi a cidade que mais criou postos de trabalho em setembro, registrando 352 empregos, resultado de 2.370 admissões e 2.018 demissões. Na sequência Campo Grande registrou saldo de 231 empregos,  com 8.066 admissões contra 7.835 demissões no período. Seguido de Sidrolândia  (60), Naviraí (51), Três Lagoas (50), Coxim (40), Amambai (24), Aquidauana (8).

Maracaju registrou a maior número de desligamentos do que contratação, saldo negativo em 271 empregos. Com 503 desligamentos contra 232 contratações em setembro. Também registraram saldo negativo na geração de empregos os municípios de Rio Brilhante (-75), Ponta Porã (-27) e Nova Andradina (-1).

NACIONAL

O Brasil gerou 157.213 vagas de empregos formais em setembro. É o melhor setembro desde 2013, quando foi registrado resultado positivo de 211.068 vagas. Pela primeira vez no ano, todas as 27 unidades da federação apresentaram resultado positivo na oferta de vagas formais de trabalho.

Nos nove primeiros meses de 2019, o país tem a geração de 761.776 empregos, o que representa elevação de 1,98% no estoque total (que atingiu 39.172.204 empregos formais ao final de setembro deste ano). Nos nove primeiros meses do ano passado, o Brasil tinha gerado 719.089 novos empregos. O resultado acumulado entre janeiro e setembro deste ano, portanto, é 6% melhor que o de igual período do ano passado.

As vagas de emprego tiveram resultados positivos em sete setores econômicos em setembro e saldo negativo em apenas um setor. Os setores com números positivos foram serviços (64.533 vagas); indústria da transformação (42.179); comércio (26.918); construção civil (18.331); agropecuária (4.463); extrativa mineral (745) e administração pública (492). O único setor com resultado negativo foi o de serviços industriais de utilidade pública (-448 vagas).

Por regiões, o Nordeste apresentou o maior saldo positivo em setembro, com a oferta de 57.035 postos. Em segundo lugar ficou o Sudeste (56.833 vagas) e em terceiro, o Sul (23.870). O Centro-Oeste ficou em quarto lugar em setembro (10.073 vagas) e o Norte, em quinto (9.352). Os Estados que mais geraram empregos em setembro foram São Paulo (36.156 postos), Pernambuco (17.630) e Alagoas (16.529). 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Dólar à vista tem alta de 0,11% e fecha em R$ 4,20
MERCADO FINANCEIRO

Dólar à vista tem alta de 0,11% e fecha em R$ 4,20

Tereza Cristina tenta reverter embargo dos EUA à carne brasileira
MERCADO

Tereza Cristina tenta reverter embargo dos EUA à carne brasileira

Bolsonaro diz que gostaria de dólar abaixo de R$ 4 e cita impacto externo
BRASIL

Bolsonaro diz que gostaria de dólar abaixo de R$ 4 e cita impacto externo

Secretário diz que reforma focará em tributação do IR, inclusive lucros e dividendos
REFORMA TRIBUTÁRIA

Secretário diz que reforma focará em tributação do IR, inclusive lucros e dividendos

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião