Campo Grande - MS, quinta, 16 de agosto de 2018

sem dinheiro

Endividamento aumenta em
Campo Grande e atinge 59% das famílias

Em julho, 108 mil consumidores estavam com contas atrasadas

3 AGO 2017Por DA REDAÇÃO06h:30

O saque de dinheiro em contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e os cortes no consumo feitos para equilibrar as contas em período de recessão parecem não ter sido suficientes para estancar o endividamento das famílias.

No mês em que se encerrou a medida provisória do governo federal que liberava o recurso, o índice de endividamento das famílias, ao invés de baixar, aumentou.

É o que mostra Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peinc), divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

De acordo com o levantamento, depois de duas quedas consecutivas, registradas nos meses de maio e junho, o volume de endividados saltou de 160,1 mil (no mês passado) para 179,7 mil, incremento de 19,5 mil consumidores (12,19% de alta).

No mês passado, 59,3% dos entrevistados declararam que estão comprometidos com dívidas como cheques pré-datados, cartões de crédito, carnês de lojas, prestação de carros, etc.

O dado mais preocupante, no entanto, está no aumento do número de consumidores com contas em atraso e que não terão condições de pagar suas dívidas.

*Leia reportagem, de Renata Prandini, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

Leia Também