MERCADO

Empresas fazem propostas por ativos da Petrobras na Argentina

Estatal brasileira informou que pretende se desfazer de ativos no exterior
29/08/2015 22:00 - FOLHAPRESS


Três empresas teriam apresentado oferta para comprar os ativos da Petrobras na Argentina, segundo noticiou neste sábado (29) o jornal argentino "Clarín".

Com dificuldades de caixa, a estatal brasileira informou que pretende se desfazer de ativos no exterior e, em julho, convidou empresas argentinas a apresentarem propostas de compra.

A Petrobras detém no país 30 campos de exploração de petróleo e gás, uma rede de cem postos de gasolina, a refinaria de Bahia Blanca e participação na termelétrica de Genelba, em petroquímicas, gasoduto e na hidrelétrica de Pichi Picún Leifú.

Segundo a imprensa argentina, a Petrobras quer vender todos os ativos em um único negócio, que poderia superar US$ 1 bilhão. Se confirmada a operação, isso representaria a saída da estatal brasileira do país.

A estatal YPF e duas empresas privadas teriam apresentado ofertas: a Pluspetrol e a Tecpetrol. Não há informações sobre o valor das propostas.

A mais forte concorrente é a estatal, que poderia oferecer até US$ 1,4 bilhão pelos ativos da Petrobras. Segundo fontes ouvidas pelo jornal, a YPF, entretanto, ofereceu menos do que essa quantia.

Correndo por fora está a Oil, empresa do controverso empresário Cristóbal López, que em 2010 arrematou postos de gasolina e uma refinaria da Petrobras por cerca de US$ 100 milhões. O empresário é investigado na Argentina por negócios suspeitos com a família Kirchner.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".