Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

OPERAÇÃO PANDORA

Em MS, 350 profissionais terão de rever declaração na Receita

Depois de notificação, profissional tem até 14 de maio para corrigir

23 ABR 19 - 18h:12ALINE OLIVEIRA E BRUNA AQUINO

Com objetivo de identificar irregularidades nas despesas declaradas por profissionais liberais de várias regiões brasileiras, referente à declaração do Imposto de Renda  no período de 2015 e 2018, a Receita Federal iniciou nesta terça-feira (23), a Operação Pandora. 

Em Mato Grosso do Sul, foram identificadas 350 pessoas com divergência na declaração de despesas. Os rendimentos apresentados somaram R$ 214 milhões, no entanto, conforme explicado pelo auditor-fiscal da Receita Federal em Campo Grande, Edson Ishikawa,  este total representa apenas 27,2%  das deduções de livro caixa. 

A fim de oferecer oportunidade para o profissional identificar a inconsistência e realizar a correção,  informadas em Livro Caixa, referente aos anos -calendário 2014 a 2017, solicitando a retificação das declarações do Imposto de Renda. Foram encaminhadas notificações escritas, via Correios e Telégrafos. O prazo para responder aos questionamentos da Receita Federal é 14 de maio e o não cumprimento será passível de autuação e multa. 

"Neste momento é a fase de colocar o contribuinte a par da situação, a fim de oferecer oportunidade para que ele esclareça ou não, as divergências. Se forem constatadas e não justificadas, o titular receberá um auto de infração, a partir de 17 de junho. Já os declarantes que buscarem a Receita espontâneamente terão oportunidade pagar as pendências de forma parcelada", esclarece Ishikawa.

SOBRE A OPERAÇÃO

Esta é a 2ª fiscalização realizada na 1ª região fiscal, dando continuidade à operação  de mesmo nome realizada em Goiás pelo grupo de Operações Especiais da Delegacia da Receita Federal em Goiânia e Anápolis. 

Em Mato Grosso do Sul foram identificados 77,07 mil profissionais liberais, pelo cadastro de Declaração de Imposto de Renda de Pessoas Físicas, no período de 2014 a 2017. Ao todo, foram declarados R$ 4,64 bilhões em rendimentos tributáveis, de atividades sem vínculo empregatício. Deste total, R$ 786 milhões foram escriturados em livro caixa, detalhou a Receita. 

Para o chefe da fiscalização, Marcos Más, o procedimento de notificação e correção deverá ser tranquilo. "Esperamos não ter novidades e reforçamos que os comunicados não tem caráter punitivo, apenas informativo", conclui. 

O termo da operação, refere-se à Caixa de Pandora, narrativa da mitologia grega que descreve o envio de Pandora à terra por Zeus, acompanhada por uma caixa e a recomendação de jamais abri-la, uma vez que dentro dela, os deuses haviam inserido um rol de males aos homens. Imbuida de curiosidade, Pandora acabou abrindo a caixa, liberando todas as mazelas que continha, mas fechou antes que a esperança pudesse sair. 

As despesas declaradas em livro caixa, em razão da amplitude do rol de documentos que podem comprovar sua escrituração, são de conteúdo cuja verificação é mais onerosa, constituindo verdadeira caixa de Pandora para a Receita Federal.

Depois de aberta a caixa (analisando as despesas), veremos muitos males saindo (despesas sem comprovação, gastos fraudulentos, sonegação tributária), mas ainda restará a esperança (mudança de comportamento dos infratores). 

*Matéria editada às 18h39 para acréscimo de informações

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Pagamentos com cartão aumentaram 17% no primeiro trimestre
ECONOMIA

Pagamentos com cartão aumentaram 17% no primeiro trimestre

ECONOMIA

CNPE publica resolução sobre Novo Mercado de Gás

ECONOMIA

Crises impedem País de rever 3,7 milhões de perdas de assalariados

ECONOMIA

Número de empresas e organizações ativas no Brasil cai 0,4% em 2017

Mais Lidas