Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

OPERAÇÃO PANDORA

Em MS, 350 profissionais terão de rever declaração na Receita

Depois de notificação, profissional tem até 14 de maio para corrigir
23/04/2019 18:12 - ALINE OLIVEIRA E BRUNA AQUINO


 

Com objetivo de identificar irregularidades nas despesas declaradas por profissionais liberais de várias regiões brasileiras, referente à declaração do Imposto de Renda  no período de 2015 e 2018, a Receita Federal iniciou nesta terça-feira (23), a Operação Pandora. 

Em Mato Grosso do Sul, foram identificadas 350 pessoas com divergência na declaração de despesas. Os rendimentos apresentados somaram R$ 214 milhões, no entanto, conforme explicado pelo auditor-fiscal da Receita Federal em Campo Grande, Edson Ishikawa,  este total representa apenas 27,2%  das deduções de livro caixa. 

A fim de oferecer oportunidade para o profissional identificar a inconsistência e realizar a correção,  informadas em Livro Caixa, referente aos anos -calendário 2014 a 2017, solicitando a retificação das declarações do Imposto de Renda. Foram encaminhadas notificações escritas, via Correios e Telégrafos. O prazo para responder aos questionamentos da Receita Federal é 14 de maio e o não cumprimento será passível de autuação e multa. 

"Neste momento é a fase de colocar o contribuinte a par da situação, a fim de oferecer oportunidade para que ele esclareça ou não, as divergências. Se forem constatadas e não justificadas, o titular receberá um auto de infração, a partir de 17 de junho. Já os declarantes que buscarem a Receita espontâneamente terão oportunidade pagar as pendências de forma parcelada", esclarece Ishikawa.

SOBRE A OPERAÇÃO

Esta é a 2ª fiscalização realizada na 1ª região fiscal, dando continuidade à operação  de mesmo nome realizada em Goiás pelo grupo de Operações Especiais da Delegacia da Receita Federal em Goiânia e Anápolis. 

Em Mato Grosso do Sul foram identificados 77,07 mil profissionais liberais, pelo cadastro de Declaração de Imposto de Renda de Pessoas Físicas, no período de 2014 a 2017. Ao todo, foram declarados R$ 4,64 bilhões em rendimentos tributáveis, de atividades sem vínculo empregatício. Deste total, R$ 786 milhões foram escriturados em livro caixa, detalhou a Receita. 

Para o chefe da fiscalização, Marcos Más, o procedimento de notificação e correção deverá ser tranquilo. "Esperamos não ter novidades e reforçamos que os comunicados não tem caráter punitivo, apenas informativo", conclui. 

O termo da operação, refere-se à Caixa de Pandora, narrativa da mitologia grega que descreve o envio de Pandora à terra por Zeus, acompanhada por uma caixa e a recomendação de jamais abri-la, uma vez que dentro dela, os deuses haviam inserido um rol de males aos homens. Imbuida de curiosidade, Pandora acabou abrindo a caixa, liberando todas as mazelas que continha, mas fechou antes que a esperança pudesse sair. 

As despesas declaradas em livro caixa, em razão da amplitude do rol de documentos que podem comprovar sua escrituração, são de conteúdo cuja verificação é mais onerosa, constituindo verdadeira caixa de Pandora para a Receita Federal.

Depois de aberta a caixa (analisando as despesas), veremos muitos males saindo (despesas sem comprovação, gastos fraudulentos, sonegação tributária), mas ainda restará a esperança (mudança de comportamento dos infratores). 

*Matéria editada às 18h39 para acréscimo de informações

Felpuda


O desgaste de antigas lideranças nacionais, com reflexo em nível local, é a maior preocupação dos dirigentes de partidos para as eleições deste ano, que terá reflexo em 2022. Em épocas passadas, essas figurinhas cruzavam os céus do País para visitarem os municípios e pedirem que a população votasse em seus ungidos. Agora, com pendências judiciais e poder enfraquecido, dificilmente seriam convidadas. A pandemia, que resultou no isolamento social, foi a pá de cal.