Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

PREÇOS

Dupla infalível do prato
feito, arroz e feijão subiram 10,9% e 5% neste ano

Alimentos não escaparam da inflação que assola o bolso

24 AGO 15 - 00h:00DA REDAÇÃO

Presente na alimentação da maioria das famílias brasileiras, o tradicional prato feijão com arroz não escapou dos efeitos da alta da inflação em Campo Grande e está mais caro para o consumidor da Capital. Enquanto o preço médio da leguminosa teve alta de 10,9% neste mês em relação a um ano atrás, o do cereal está 5,5% mais caro,  aponta levantamento do Núcleo de Pesquisas Econômicas (Nepes) da Universidade Anhanguera-Uniderp. 

Para realizar o estudo, o Nepes pesquisou sete marcas de feijão do tipo 1 e de um quilo. Em um ano, cinco apresentaram alta, que chegou ao índice máximo de 49,6%; já para as marcas que tiveram queda, os porcentuais foram, respectivamente, de -32,9% e -7,7%. 

Já com relação ao arroz,  foram avaliadas cinco marcas de arroz tipo 1, de cinco quilos. Na comparação anual (agosto de 2015 e 2014), por item, quatro variações foram positivas (de 6,9% a 13,2%), enquanto uma das marcas apresentou redução (-12,7%).

(*) A reportagem de Daniella Arruda está na edição de hoje do Correio do Estado.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Antes de levar Linguiça de Maracaju a todo o país, empresa uniu família
SELO NACIONAL

Antes de levar Linguiça de Maracaju a todo o país, empresa uniu família

Programa de renegociação vai gerar  R$ 59,3 milhões em 2019 à prefeitura
RECUPERAÇÃO

Programa de renegociação vai gerar R$ 59,3 milhões em 2019 à prefeitura

Linguiça de Maracaju recebe certificado e poderá ser vendida em todo Brasil
ECONOMIA

Linguiça de Maracaju recebe certificado e poderá ser vendida em todo Brasil

ECONOMIA

Exportações de carne podem fechar 2019 com resultado recorde

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião