Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PREÇOS

Dupla infalível do prato <br>feito, arroz e feijão subiram 10,9% e 5% neste ano

Alimentos não escaparam da inflação que assola o bolso
24/08/2015 00:00 - DA REDAÇÃO


 

Presente na alimentação da maioria das famílias brasileiras, o tradicional prato feijão com arroz não escapou dos efeitos da alta da inflação em Campo Grande e está mais caro para o consumidor da Capital. Enquanto o preço médio da leguminosa teve alta de 10,9% neste mês em relação a um ano atrás, o do cereal está 5,5% mais caro,  aponta levantamento do Núcleo de Pesquisas Econômicas (Nepes) da Universidade Anhanguera-Uniderp. 

Para realizar o estudo, o Nepes pesquisou sete marcas de feijão do tipo 1 e de um quilo. Em um ano, cinco apresentaram alta, que chegou ao índice máximo de 49,6%; já para as marcas que tiveram queda, os porcentuais foram, respectivamente, de -32,9% e -7,7%. 

Já com relação ao arroz,  foram avaliadas cinco marcas de arroz tipo 1, de cinco quilos. Na comparação anual (agosto de 2015 e 2014), por item, quatro variações foram positivas (de 6,9% a 13,2%), enquanto uma das marcas apresentou redução (-12,7%).

(*) A reportagem de Daniella Arruda está na edição de hoje do Correio do Estado.

Felpuda


Dois pedidos de desculpas, de autorias diferentes, foram assuntos muito comentados nas redes sociais com críticas ácidas às suas declarações, até porque os envolvidos não só os usaram despropositadamente, como tiveram de voltar a eles para se redimirem. Um deles, inclusive, quase criou uma crise política da-que-las, o que obrigou seu pai, figurinha carimbada, a pular miúdo para colocar panos quentes sobre a questão. Essa gente!...