Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

MERCADO FINANCEIRO

Dólar recua 1% e tem maior queda do mês com declarações de Trump e Draghi

18 JUN 19 - 19h:00ESTADÃO CONTEÚDO

O dólar caiu 1%, a maior queda do mês, e terminou a terça-feira, 18, em R$ 3,8606. O maior recuo nos últimos dias havia sido dia 31 de maio, quando a divisa teve baixa de 1,33%. O mercado de câmbio foi principalmente influenciado pelo cenário internacional. Desde a parte da manhã, os investidores venderam dólares e reduziram posições defensivas com a declaração do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de que as conversas sobre a questão comercial com o presidente chinês, Xi Jinping, foram "muitos boas" e que os dois líderes terão "reunião prolongada" na próxima semana, no Japão. Na Europa, o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, deu sinais claros de que está disposto a adotar mais estímulos monetários.

As declarações dos líderes tiveram impacto imediato no mercado internacional de moedas. O euro caiu ante o dólar e a moeda americana recuou perante as divisas de emergentes e países exportadores de commodities. O foco do mercado agora é o final da reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), que termina na tarde desta quarta-feira e é o evento mais esperado da semana. 

O estrategista-chefe de moedas do Wells Fargo Securities Nick Bennenbroek destaca que o dólar tende a se enfraquecer ainda mais este ano, por conta da tendência de cortes de juros pelo Fed a partir de julho. A expectativa é que na reunião de quarta os diretores sinalizem que a redução das taxas está próxima, disse Bennenbroek em teleconferência com investidores. O Wells Fargo, quarto maior banco dos EUA, projeta um corte de juros nos EUA em julho e outro no quarto trimestre, provavelmente em outubro, em meio à inflação comportada na maior economia do mundo. 

Já para a questão comercial dos EUA, o Wells Fargo está menos otimista. Trump e o líder chinês devem se encontrar no Japão no final do mês, mas o economista-chefe do banco, Jay Bryson, não espera que nada definitivo vai sair do encontro. "A disputa comercial com China vai durar pelo futuro previsível", disse na teleconferência. Já o dólar mais fraco na economia mundial deve ser a marca deste ano e do próximo, o que deve beneficiar algumas divisas de emergentes. 

No mercado doméstico, a agenda foi esvaziada e as mesas de câmbio monitoraram o início dos debates do relatório da reforma da Previdência na comissão especial da Câmara. Para o sócio e estrategista da Tag Investimentos, Dan Kawa, a reforma parece estar fluindo, apesar dos "ruídos e obstáculos" envolvendo o governo.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Deputados propõem liberar venda de remédios sem aval da Anvisa
ECONOMIA

Deputados propõem liberar venda de remédios sem aval da Anvisa

Ministro diz a caminhoneiros que tabela do frete será suspensa nesta segunda
ECONOMIA

Ministro diz a caminhoneiros que tabela do frete será suspensa nesta segunda

Projeto itinerante realiza negociação com inadimplentes da Capital
CAMPO GRANDE

Projeto itinerante realiza negociação com inadimplentes

Autorizada licitação de obra da ponte sobre rio Paraguai, com início em 2020
PORTO MURTINHO

Autorizada licitação de obra da ponte sobre rio Paraguai

Mais Lidas