Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

MERCADO FINANCEIRO

Dólar fecha abaixo de R$ 4,00 com alívio externo e nova estratégia do BC

15 AGO 19 - 17h:45ESTADÃO CONTEÚDO

Um movimento global de leve recuperação das moedas emergentes e a nova estratégia do Banco Central no mercado de câmbio tiraram o fôlego do dólar nesta quinta-feira. Já em queda desde a abertura, o dólar acentuou as perdas na final do pregão e furou o piso de R$ 4,00, em meio a um leve refresco na aversão ao risco no exterior, evidenciado pela alta das bolsas americanas e diminuição da queda dos retornos dos Treasuries. 

Com máxima de R$ 4,050 e mínima de R$ 3,9808, registrada no meio da tarde, o dólar à vista encerrou o dia cotado a R$ 3,9901, em queda de 1,21%. Apesar do recuo no pregão desta quinta-feira, o dólar ainda acumula alta de 1,26% na semana e avança 4,46% em agosto. 

Operadores e analistas viram com bons olhos a nova estratégia de atuação do Banco Central no mercado cambial, mas ressaltam que não há motivos para esperar uma apreciação maior do real no curto prazo. O temor de recessão global, em meio à guerra comercial entre China e Estados Unidos, deixa o mercado sensível a movimentos abruptos de aversão ao risco, que se traduzem em venda de ativos emergentes e compra de dólares.

"Tivemos um alívio pontual para moedas emergentes lá fora, com alta até do peso argentino, mas o quadro de guerra comercial pode se agravar e impulsionar o dólar, apesar da atuação do Banco Central", afirma o estrategista Jefferson Laatus. "Ainda há muita pressão no câmbio, com aversão ao risco e saída de estrangeiros da bolsa. O BC vai suprir essa demanda, mas não dá para descartar que o dólar volte trabalhar acima de R$ 4,05", acrescenta Durval Corrêa, sócio-diretor da Via Brasil Serviços.

À exceção do rublo, o dólar amargou perdas em relação a todas as divisas de países emergentes ou exportadores de commodities. Até a moeda argentina, abalada pela perspectiva de volta do kirchnerismo , pegou carona no movimento global de recuo da moeda americana. O dólar caiu mais de 5% e passou a ser negociado abaixo dos 60 pesos. 

Em vez de ofertar apenas swaps cambiais tradicionais, o BC vai realizar, no período de 21 a 29 de agosto, leilões diários de venda de até US$ 550 milhões, conjugado com oferta de swaps cambiais reversos (equivalente a compra de dólar futuro). Caso venda lotes integrais durante os sete dias úteis de intervenção, o BC terá injetado US$ 3,850 bilhões no mercado à vista. 

"O BC está adaptando sua atuação à nova realidade do mercado, com maior pressão de dólar à vista. Ao mesmo tempo, dá liquidez no futuro para quem quer se desfazer de swaps tradicionais", afirma Laatus.

O especialista ressalta que a alta recente do dólar não se dá por razões domésticas, como eventual temor de malogro da reforma da Previdência e piora dos fundamentos fiscais. Ou seja, não há uma piora da percepção em relação ao Brasil, mas um movimento global de fuga para a qualidade. "Essa venda de reservas é para suprir uma demanda e não significa uma tentativa de controlar o dólar, até porque o movimento é global", afirma.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Campo Grande cria 327 empregos em julho, 2º melhor saldo no ano
CAGED

Campo Grande cria 327 empregos
em julho, 2º melhor saldo no ano

ECONOMIA

País deve andar em passo lento, mesmo com reformas

ECONOMIA

Medidas para acelerar crescimento entram na discussão

Pequenos negócios criaram 95% das vagas em julho, diz Sebrae
ECONOMIA

Pequenos negócios criaram 95% das vagas em julho, diz Sebrae

Mais Lidas