Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

DADOS ECONOMICOS

Dólar cai para R$ 3,46 com dados fracos nos EUA

Moeda americana voltou a fechar em baixa em relação ao real nesta quinta-feira

20 AGO 15 - 17h:30FOLHAPRESS

O dólar voltou a fechar em baixa em relação ao real e encerrou a quinta-feira (20) cotado a R$ 3,46. A moeda americana intensificou a queda após a divulgação de indicador de atividade econômica nos Estados Unidos que veio mais fraco que o esperado.

A aprovação, no Senado, do projeto de reoneração da folha de salários, última medida do ajuste fiscal do governo que dependia do aval do Congresso, também trouxe alívio ao mercado cambial e à Bolsa nesta sessão.

O dólar à vista, referência no mercado financeiro, encerrou o dia com queda de 1,17%, para R$ 3,462. O dólar comercial, usado em transações no comércio exterior, registrou queda de 0,74%, para R$ 3,461.

Já o Ibovespa, principal índice do mercado acionário brasileiro, terminou praticamente estável, com leve avanço de 0,13%, para 46.649 pontos. A alta das ações da Vale impediu nova queda do índice.

Nos Estados Unidos, o indicador antecedente de atividade econômica caiu em julho, após quatro meses seguidos de alta. O índice foi afetado por uma queda nas permissões para construções de imóveis. O Conference Board informou nesta quinta-feira (20) que o indicador recuou 0,2%, após um aumento de 0,6% em junho -dado ainda não revisado.

"O indicador procura antecipar o comportamento da economia americana nos próximos meses. A queda sugere que a recuperação do país pode perder força nos próximos seis meses", afirma Luciano Rostagno, estrategista-chefe do Banco Mizuho do Brasil. "Isso aumenta a percepção de que o Fed (banco central americano) deve aumentar os juros no país apenas em dezembro", complementa.

Essa opção voltou a ganhar força após a divulgação da ata do Fed, na quarta-feira, na qual a autoridade monetária americana esboçou preocupação com o mercado de trabalho do país.

O Departamento do Trabalho americano informou nesta quinta (20) que os pedidos iniciais de auxílio-desemprego nos EUA subiram em 4.000, para 277 mil, segundo números ajustados sazonalmente, na semana encerrada em 15 de agosto. O número de pedidos para a semana anterior foi revisado e mostrou 1.000 solicitações a menos.

"O Fed dá uma importância grande à recuperação do emprego. Os dados divulgados foram ruins, e com essa alta inesperada do auxílio-desemprego o banco central americano fica numa situação complicada", avalia Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da Treviso Corretora. "O pessoal volta a comentar que o aumento de juros poderia começar só em 2016."

O aumento dos juros nos EUA deixaria os títulos do Tesouro americano -cuja remuneração acompanha essa taxa e que são considerados de baixíssimo risco- mais atraentes do que aplicações em emergentes, como o Brasil, provocando uma saída de recursos dessas economias. Com a menor oferta de dólares, a cotação do dólar seria pressionada para cima.

POLÍTICA

A aprovação do projeto de reoneração da folha de pagamento também ajudou a conter nova queda da Bolsa e a aliviar a pressão sobre o dólar. O texto segue agora para sanção da presidente Dilma Rousseff.

Os senadores mantiveram a proposta aprovada na Câmara -que elevou em mais de 100% a taxação sobre o faturamento para a maioria dos 56 setores enquadrados no programa de desoneração da folha-, mas abriu exceções para alguns segmentos, reduzindo o ganho do governo.

Com a proposta aprovada, o governo deve obter uma economia de R$ 10 bilhões, segundo estimativas do PMDB na Câmara.

Ainda no campo político, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, protocolou no STF (Supremo Tribunal Federal) denúncia contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), pelos supostos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro apontados durante a Operação Lava Jato, que investiga crimes na Petrobras.

"Existe uma preocupação com cenário político. Temos votações importantes para o ajuste final na Câmara, e o temor é que o Eduardo Cunha utilize isso para se defender e prejudique o ajuste fiscal do governo", avalia Angelo Larozi, analista-chefe da Walpires Corretora.

AÇÕES

As ações da Vale quebraram sequência de cinco quedas e fecharam o dia em alta. Os papéis preferenciais da mineradora encerraram o dia com valorização de 2,45%, para R$ 13,81. As ações ordinárias subiram 1,96%, para R$ 17,17.

Destaque para as ações da Positivo, empresa de tecnologia, que dispararam após a companhia anunciar o relançamento, no Brasil, da marca japonesa Vaio, detida pela Sony até 2014. Os papéis da empresa subiram 10,50%, para R$ 2.

As ações do Itaú Unibanco subiram 0,23%, para R$ 26,34, enquanto os papéis do Banco do Brasil avançaram 1,03%, para R$ 18,60. após a forte queda de 6,17% na sessão anterior.

Os papéis da Petrobras cederam pelo sexto pregão seguido. As ações preferenciais -mais negociadas- caíram 0,68%, para R$ 8,73. Os papéis ordinários tiveram desvalorização de 0,82%, para R$ 9,69.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Motoristas esperam 16 horas em fila <br> para abastecer a R$ 2,50 em Campo Grande
FEIRÃO DO IMPOSTO

Motoristas esperam 16 h em fila para abastecer a R$ 2,50

Mercado de trabalho gera 2,6 mil novas vagas em abril em MS
EMPREGO

Mercado de trabalho gera 2,6 mil novas vagas em abril

Municípios recebem mais do FPM, <BR>mas outros repasses caem
ARRECADAÇÃO

Repasse do FPM aos municípios aumenta, mas outros caem

AVIAÇÃO

Empresa resultante de venda da Embraer se chamará Boeing Brasil - Commercial

Mais Lidas