Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

APÓS ANÚNCIO DE TRUMP

Dólar cai a R$ 4,21 com exterior e nova revisão de dados de exportações

2 DEZ 19 - 18h:02ESTADÃO CONTEÚDO

O dólar fechou nesta segunda-feira, 2, no menor nível em dez dias, em baixa de 0,68%, a R$ 4,2119. A segunda-feira foi marcada por queda do dólar ante a maioria das divisas, em meio a renovados temores sobre os rumos das negociações comerciais entre Estados Unidos e China após a decisão de Donald Trump de taxar o aço do Brasil e da Argentina. A nova revisão nos números da balança comercial, anunciada hoje à tarde pelo ministério da Economia, que aumentou as exportações brasileiras dos últimos três meses em US$ 6,5 bilhões, também ajudou a fortalecer o real, que teve um dos melhores desempenhos hoje no mercado internacional de moedas.

O dólar fechou perto das mínimas do dia, que foi de R$ 4,2114. Logo pela manhã, a moeda americana foi às máximas, a R$ 4,25 em meio às dúvidas causadas pela mensagem postada por Trump no Twitter, que acusou o Brasil e a Argentina de desvalorizarem suas moedas para tornar o aço mais competitivo.

O economista do ING, especialista em comércio internacional, Timme Spakman, observa que a visão do presidente americano sobre a moeda brasileira e argentina está equivocada. "Em nossa visão, não são autoridades brasileiras e argentinas as responsáveis pela fraqueza das moedas, mas as forças de mercado", avalia ele. Para o economista, a China vai avaliar a decisão de Trump sobre o Brasil e a Argentina "de perto", pois os dois países já haviam fechado acordo com a Casa Branca sobre o aço no ano passado. As autoridades de Pequim devem estar se perguntando sobre o quão longe podem ir com as negociações comerciais, sabendo que um acordo pode ter vida curta, ressalta ele.

Para Cleber Alessie Machado Neto, operador de câmbio da H Commcor DTVM, o dia no mercado cambial foi de correção, seguindo o movimento dos ativos americanos. Tanto nas bolsas americanas quanto europeias, a primeira etapa do pregão foi no terreno negativo. "Os dados ruins da economia dos Estados Unidos e a continuidade das incertezas sobre a guerra comercial ativaram a correção das bolsas e do próprio dólar, que caiu contra praticamente todas as divisas, tanto fortes quanto de emergentes", disse Neto.

"O mercado fica muito inseguro com isso tudo e me surpreende a resiliência dos ativos brasileiros hoje", disse o operador da H Commcor. Do ponto de vista interno, ele ressalta que o mercado está vendo com bons olhos as revisões das exportações que vêm sendo feitas pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex). Na quinta-feira passada, as vendas externas de novembro já haviam sido revisadas para cima em quase US$ 4 bilhões. Hoje, foram os números de setembro e outubro que foram melhorados. Com isso, as exportações dos últimos três meses cresceram em US$ 6,488 bilhões.
 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Fiscais defendem gratificação de “produtividade” para aposentados
VERBA EXTRA SOB AMEAÇA

Fiscais defendem gratificação de “produtividade” para aposentados

PLATAFORMA DIGITAL

Resgate eletrônico de depósitos judiciais chega a 12 estados

BRASIL

Após ser criticado, governo recua de decisão de excluir 17 ocupações do MEI

Tarifa de pedágio da ponte sobre Rio Paraguai aumenta 2,83% em janeiro
PREPARE O BOLSO

Tarifa de pedágio da ponte sobre Rio Paraguai aumenta 2,83% em janeiro

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião