Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 18 de dezembro de 2018

MERCADO

Disparada no valor de combustíveis
reduz vendas em 25%, segundo ANP

Postos viram consumo despencar em janeiro

13 MAR 2018Por DA REDAÇÃO07h:15

O mercado de combustíveis em Mato Grosso do Sul começou o ano de 2018 com o consumo em retração e registrando o menor volume de vendas em quatro anos, de acordo com dados oficiais da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Em janeiro, foram comercializados no Estado 147,604 milhões de litros de combustível, quantidade 8% menor que a do mesmo período do ano passado, que registrou venda de 159,364 milhões de litros. Diante do melhor resultado para o mês nesta base de comparativo (janeiro de 2015, quando foram comercializados 191,335 milhões de litros), a diferença é ainda maior, de 25%: foram vendidos 47,731 milhões de litros a menos.

Entre os combustíveis, a maior queda em vendas foi observada no óleo diesel – de 100,694 milhões de litros, em janeiro de 2014, o volume encolheu para 80,481 milhões de litros, em janeiro deste ano, redução de 20,07%. No mesmo período do ano passado, tinham sido comercializados 93,058 milhões de litros do combustível no Estado (-10,87%).

Carro-chefe em vendas no mercado de combustíveis sul-mato-grossense, a gasolina totalizou 57,730 milhões de litros vendidos no primeiro mês deste ano, conforme os dados da ANP, recuo de 7,10% em relação a 2017 (quando foram comercializados 62,152 milhões de litros em janeiro).

O desempenho superou o de janeiro de 2016 (55,500 milhões de litros), porém, os números de 2015 e 2014 mostram que o consumo segue em forte oscilação: o volume de vendas foi, respectivamente, de 61,410 milhões e 54,982 milhões de litros.

Quanto ao etanol, o relatório de acompanhamento de vendas da ANP aponta recuperação do biocombustível em Mato Grosso do Sul neste início de ano, com a comercialização de 9,393 milhões de litros em janeiro.

*Leia reportagem, de Daniella Arruda, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também