Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quinta, 13 de dezembro de 2018

NATAL

De olho em R$ 36,4 milhões, comércio
se mobiliza para elevar vendas

Lojistas preparam-se para aumento de 2% no movimento e contratam funcionários temporários

6 DEZ 2018Por EDUARDO FREGATTO E ROSANA SIQUEIRA05h:00

De olho em R$ 36,4 milhões que devem ser movimentados apenas no comércio de Campo Grande, os lojistas estimam elevar em até 2% as vendas neste fim de ano e continuam a reforçar o atendimento, contratando funcionários temporários. A previsão da Associação Comercial e Industrial de Campo Grande (ACICG) leva em conta a alta de 16% nas comercializações de produtos, registrada nas campanhas promocionais de novembro, como a Black Friday, e ainda os dados da pesquisa da Fecomércio, que apontam que, pelo menos, 66,4% dos campo-grandenses pretendem investir em presentes de Natal neste ano. Pensando em aproveitar o clima de fim de ano e o maior apelo do consumo, a ACICG mobilizou diversos parceiros para trabalharem no planejamento e na execução de ações que visam contornar os desafios da queda nas vendas e no movimento da região durante o ano.

A entidade alega que está atenta às necessidades dos empresários da Capital e ciente dos impactos que as empresas do centro têm sofrido desde o início da crise econômica do País – situação agravada pelas obras de revitalização.

“As obras prejudicaram muito nosso movimento e parecem que ainda vão demorar para terminar, o processo é lento, então está difícil”, afirma o comerciante Ivan Moreira, que há 20 anos mantém uma loja de roupas, na Avenida 14 de Julho. Mesmo com os trabalhos de revitalização paralisados – a fim de ajudar na retomada do movimento de fim de ano –, os lojistas já se preocupam com o início de 2019, quando as máquinas voltarão às ruas. Ainda assim, há grandes expectativas para as vendas de Natal. “Temos três funcionários e vamos contratar mais três. Dezembro já começou melhor, esperamos que este fim de ano seja melhor que o de 2017”, aposta a gerente de loja de roupas Tamires Daniele, que trabalha na região central há três anos.

“Vou contratar três, e atualmente são quatro. Vivemos o pior momento do comércio, até agora está fraco, mas há expectativa [de aumento de vendas]”, diz Moreira. “O movimento já aumentou um pouco, achamos que pode superar o ano passado”, opina outra trabalhadora do centro, Jéssica Góes de Oliveira.

OPORTUNIDADE

Nesta semana, os empresários contarão com o apoio dos parceiros para negociação de suas dívidas junto aos bancos, imobiliárias e fornecedores, além de possíveis linhas de crédito e capital de giro nas entidades bancárias. O empresário deve procurar seu banco e imobiliária. Para negociação com fornecedores, a ACICG disponibilizará gratuitamente os serviços da Câmara de Mediação e arbitragem para associados. Além disso, a Energisa receberá empresários inadimplentes da região para negociação. E, para atrair a população às compras de Natal no Centro, a Coopertaxi vai operar com redução de tarifa e a praça Ary Coelho contará com entretenimento, oferecido pela prefeitura.

As ações são voltadas para as empresas situadas no quadrilátero que compreende as ruas Pedro Celestino até a Avenida Calógeras, e Avenida Mato Grosso à Avenida Fernando Corrêa da Costa. “Ouvimos as principais necessidades e desafios de um grupo de lojistas da região e sensibilizamos parceiros, que tornarão viáveis ações que são essenciais para que esses lojistas enxerguem uma luz no fim túnel”, disse o presidente da Associação Comercial, João Carlos Polidoro.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também