Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

PESQUISA CNI

Crise faz 57% dos brasileiros mudarem hábitos de consumo

Entre as mudanças mais adotadas estão pesquisar mais antes de comprar

9 SET 15 - 17h:56FOLHAPRESS

Mais da metade dos brasileiros (57%) alterou hábitos de consumo ou planejamento financeiro e outros 27% devem alterá-los como reação a crise econômica pela qual o Brasil está passando.

Entre as mudanças mais adotadas estão pesquisar mais antes de comprar, adiar a aquisição de bens mais caros, mudança dos locais onde faz compra e redução de despesas da casa.

O resultado faz parte de uma pesquisa feita pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) com 2.002 entrevistados de todo o país para identificar como a crise econômica afeta a vida da população.

No levantamento, foram ouvidas 2.002 pessoas, em 141 municípios, entre os dias 18 e 21 de junho.

Na crise anterior, iniciada em 2008, o maior percentual dos que ajustaram seus hábitos foi de 30% e no máximo 27% pretendiam alterá-los.

Sentindo no bolso as consequências, –59% disseram ter perdido poder de compra nos últimos 12 meses– as pessoas estão fazendo ajustes em suas vidas.

O consumo de 11 entre 13 tipos de bens e serviços apresentados para avaliação dos entrevistados se reduziu nos últimos 12 meses. Os itens que apresentam maior redução são atividades de lazer, restaurantes e carne vermelha.

O estudo mostra que 16% das pessoas mudaram de residência para reduzir custos e 13% trocaram os filhos de escola privada para escola pública nos últimos 12 meses.

As mulheres alteraram mais seus hábitos de consumo do que os homens. Enquanto 61% delas disseram ter mudado a rotina, 53% deles fizeram o mesmo.

Elas estão poupando mais do que eles. Com medo das dificuldades futuras, 78% das mulheres garantiram que estão economizando mais, contra 72% dos homens.

EMPREGO

A crise também deixou 76% dos brasileiros preocupados ou muito preocupados com o risco de perder o emprego ou de ter que fechar empresa da qual é sócio nos próximos 12 meses.

Quanto menor a renda, maior o medo. Entre os que possuem renda familiar de até um salário mínimo, 67% estão muito preocupados. No outro extremo, entre os que possuem renda acima de cinco salários mínimos, o percentual cai para 54%.

Em setembro de 2012, 33% estavam muito preocupados com a perda do emprego, percentual que passou para 62% em junho deste ano.

Um total de 44% das pessoas disse que alguém da família ficou desempregado nos últimos 12 meses.

Além disso, quase metade da população (48%) buscou trabalho extra no último ano. Em setembro de 2013, o percentual era menor, de 25%. Os que possuem salários menores também são os que mais recorrem a um segundo trabalho para complementar a renda.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Governo divulga novos valores da Uferms e UAM para o mês de junho
ECONOMIA

Governo divulga novos valores da Uferms e UAM para junho

Um ano após a greve, diesel <BR>está 2,8% mais barato em MS
CAMINHONEIROS

Um ano após a greve, diesel está 2,8% mais barato em MS

Funsat seleciona vendedores e promotores de vendas nesta terça
OPORTUNIDADE

Funsat seleciona vendedores
e promotores nesta terça

MS poderá usar até R$ 500 milhões para obras de infraestrutura
CONDEL SUDECO

MS poderá usar até R$ 500 mi para obras de infraestrutura

Mais Lidas