Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

QUEDA

Crise atinge turismo de pesca de MS e movimento recua até 70%

Coxim é um dos que mais sofre com menor volume de turistas e menos hóspedes
09/08/2015 00:00 - DANIELLA ARRUDA


 

Crise econômica fez cair em até 70% o movimento do turismo de pesca de Coxim, município situado a 242 quilômetros de Campo Grande e um dos polos mais procurados na região norte do Estado para a prática esportiva da atividade.

A explicação para a queda, segundo proprietários de pousadas, pesqueiros e comerciantes ouvidos pelo Correio do Estado,  é a retração do consumo e perda do poder de compra da própria clientela, que tradicionalmente costumava confirmar reservas e fechar pacotes aos montes para essa época, mas agora anda sumida. 

A paradeira se reflete sobre  empreendimentos de hospedagem voltados para clientes de diferente poder aquisitivo na região — é o caso da Pousada Nova Alvorada, situada a aproximadamente 400 quilômetros da cidade,  no Alto Piquiri, onde o proprietário, Samuel Ribeiro  da Silva,  o Chicão, estima ter ocorrido queda na ocupação de 60% neste ano.

“A minha melhor média foi em março (148)  e depois disso não consegui mais alcançar, ficou em 70, 60 pessoas”, contou.  Segundo o  empresário, o mesmo vem acontecendo com estabelecimentos de outras modalidades. “Tenho amigos com cinco ranchos que nessa época, não venciam alugar para turistas (por causa da procura) e hoje estão com os ranchos parados, esperando alugar. Hoje o turismo (de pesca) de Coxim está falido”, declarou.

*A reportagem, de Daniella Arruda, está na edição de hoje do Correio do Estado.

 

Felpuda


Vereador de Campo Grande fez pronunciamento com forte teor preconceituoso que obviamente não agradou, principalmente as mulheres. A repercussão negativa foi grande e ele teve de ler cobras e lagartos em seu perfil nas redes sociais. Assim, correu para publicar nota de esclarecimento tentando colocar panos quentes e se comprometendo a, já na próxima sessão, solicitar a retirada de sua fala dos chamados “anais da Casa”. Também, pudera!