ECONOMIA

Contratações do FCO em Mato Grosso do Sul somam quase R$ 1 bilhão

Estado tem disponível R$ 2,26 bilhões do Fundo
11/07/2019 18:32 - GLAUCEA VACCARI


 

Volume de recursos contratados junto ao Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) em Mato Grosso do Sul já chega a R$ 835,4 milhões, conforme relatório divulgado na 6ª Reunião do Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis pelo FCO – CEIF/FCO, realizada nessaa quarta-feira (10.7).

Segundo a Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), em relação à última reunião, realizada em junho, houve aumento de 34%, passando de R$ 623 milhões para os 835,4 milhões.

De acordo com o secretário da Semagro, Jaime Verruck, foram aprovadas 861 propostas no Rural , que representa R$ 551,8 milhões efetivamente contratados junto à instituição financeira, e 1003 propostas no segmento empresarial, que totalizam R$ 283,5 milhões em contratações.

“Existe uma demanda muito forte pelo FCO em Mato Grosso do Sul, mesmo com a situação econômica do país ainda não favorável. O Fundo é a principal linha de financiamento do Estado e tem cumprido o seu papel na questão dos investimentos Rurais e Empresariais", disse o secretário.

Ainda conforme Verruck, já estão internalizados e em fase de contratação no banco, 446 propostas no FCO Rural (R$ 227 milhões) e mais 108 propostas no Empresarial (R$ 68 milhões).

"É muito provável que em agosto já tenhamos, internalizados no banco, a totalidade do recurso destinado ao Estado em 2019. Lembrando que há um fluxo mensal de chegada e liberação desse recurso pelo banco”, comentou  o titular da Semagro, que preside o CEIF/FCO.

Para 2019, o Estado tem disponível R$ 2,26 bilhões do Fundo.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".