Campo Grande - MS, sexta, 17 de agosto de 2018

Construção Civil

Construtores protestam contra
suspensão nos financiamentos

Manifestação contou com cerca de 400 participantes

19 OUT 2017Por BÁRBARA CAVALCANTE E ALINE OLIVEIRA10h:53

Cerca de 400 manifestantes estão aglomerados em frente a sede da superintendência da Caixa Econômica, desde o início da manhã (19), em Campo Grande, para protestar contra a redução dos recursos destinados pela instituição financeira ao programa federal 'Minha Casa, Minha Vida'. 

Os participantes chegaram ao local em carreata, com aproximadamente 200 caminhões levando ferramentas e equipamentos utilizados nos canteiros de obras, como betoneiras, carrinhos de mão e materiais de construção.

Segundo a organização, o protesto tem objetivo de solicitar à instituição financeira liberação de processos iniciados desde o começo do ano, mas, que até o momento não aconteceram. 

De acordo com o presidente da Associação dos Construtores de Mato Grosso do Sul (Acomasul), Adão Castilho, em razão dos entraves nacionais, 238 contratos estão parados somente na Capital, além de 1.336 alvarás de construção aprovados pela prefeitura em maio e junho.

"Desde agosto estamos buscando informações e tivemos a resposta junto ao governo federal que a Caixa Econômica estaria reorganizando o orçamento. No entanto, os contratos parados podem impactar negativamente na economia local e nosso intuito é evitar que a situação piore ainda mais", argumenta.

Na avaliação do dirigente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de Campo Grande - MS (Sintracom), José Abelha, os recursos liberados pela instituição financeira possibilitam a geração de cinco mil postos de trabalho que estão ameaçados. 

"O setor de construção movimenta a economia dentro e fora do canteiro de obras e com esse emperramento da Caixa Econômica, são muitas famílias que podem ser afetadas. Para se ter uma ideia, a instituição é responsável por 70% dos financiamentos existentes hoje no mercado", destaca o sindicalista.

POSICIONAMENTO DA CAIXA

O dirigente da Acomasul acrescentou que os organizadores produziram um documento, no qual estão listadas todas as demandas da categoria e aguardam serem atendidos pela diretoria da Caixa Econômica.

Até o fechamento desta matéria, o grupo foi recebido pela assessoria de comunicação que se comprometeu a divulgar nota oficial até o final do dia

 
  • Valdenir Rezende / Correio do Estado
  • Valdenir Rezende / Correio do Estado
  • Valdenir Rezende / Correio do Estado
  • Valdenir Rezende / Correio do Estado
  • Valdenir Rezende / Correio do Estado

Leia Também