Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

FRONTEIRA

Comerciantes acreditam em recuperação com aumento da cota para compras no Paraguai

Limite de compras livres de impostos passa de US$ 300 para US$ 500 à partir de janeiro

17 NOV 19 - 12h:00SÚZAN BENITES

Comerciantes da região da fronteira do Brasil com o Paraguai estão otimistas com o aumento do limite de compras isentas de impostos para quem cruza a fronteira do Brasil por via terrestre ou por rio. Publicada nesta quinta-feira (14) no Diário Oficial da União, a portaria n° 601 aumenta o limite de compras, que era de US$ 300 para US$ 500 por pessoa, a partir de 1° de janeiro de 2020. Para os comerciantes da região fronteiriça a medida é positiva para os dois lados.

De acordo com o diretor da Associação Comercial e Empresarial de Ponta Porã (ACEPP), Amauri Ozório Nunes, a notícia é positiva para o comércio da região. “Se aumenta a cota, o número de turistas aumenta. E eles dormem nos hoteis, se alimentam em Ponta Porã. Com o aumento do número de vendas no Paraguai, os vendedores ganham mais e consequentemente gastam mais em Ponta Porã. Os paraguaios compram roupas, calçados e eletrodomésticas em Mato Grosso do Sul, eles acabam girando o comércio da fronteira. Os dois lados ganham”, comemorou o empresário que tem lojas dos dois lados da fronteira.

Para o presidente da Câmara de Indústria, Comércio Turismo e Serviços de Pedro Juan Caballero, Alejandro Benitez Aranha, a notícia é muito boa. “Levando em conta que a cota será de US$ 500 por pessoa, se vierem quatro, por exemplo, podem comprar US$ 2.000, e aumenta a confiança em poder levar esses produtos. Eu acho que é positivo, estamos ansiosos que chegue logo janeiro. Porque em janeiro as pessoas geralmente viajam e visitam a fronteira para fazer compras. Estamos na expectativa, acreditamos que o dólar fique mais estável em relação ao real até lá”.

No mês passado, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) já havia informado que ampliaria o limite, o que deve beneficiar quem cruza a fronteira do Brasil com o Paraguai. O governo também vai ampliar, a partir do próximo ano, o limite para compras em free shops, que vai passar dos atuais US$ 500 para US$ 1.000.

CONTRÁRIOS

Os representantes do comércio de Campo Grande e Dourados reforçam quanto a concorrência desleal. Para o presidente da Associação Comercial e Empresarial de Dourados (ACED), Nilson Aparecido dos Santos, o problema não é o aumento da cota. “Quanto ao valor em si não é uma grande mudança porque o valor não é exorbitante. O que nós percebemos é a questão tributária. A gente precisa ter as mesmas condições que eles têm no Paraguai. Precisamos de uma solução definitiva para sermos competitivos. Quem sabe a criação de uma zona de livre comércio, por exemplo”.

O economista-chefe da Associação Comercial e Industrial de Campo Grande (ACICG), Normann Kalmus, diz que a preocupação é com o contrabando. “Muitas lojas de eletrônicos daqui não conseguem competir com as que trazem os produtos, muitas vezes de forma ilegal, da região de fronteira. O problema não está naqueles que viajam à passeio e compram, mas sim com essa venda ilegal. O que falta é a fiscalização quanto a essas mercadorias ilegais. Porque com a nossa moeda se valorizando frente ao dólar vai ser menos atrativo comprar na fronteira”, afirmou.

OUTRAS MUDANÇAS

O governo também vai ampliar, a partir do próximo ano, o limite para compras em free shops, que vai passar dos atuais US$ 500 para US$ 1.000. Os free shops ou duty free shops são lojas localizadas em salas de embarque e desembarque de aeroportos brasileiros onde os produtos são vendidos sem encargos e tributos. Além desse limite para os free shops, há também o limite para compras no exterior, que é US$ 500. Assim, quem viaja ao exterior de avião poderá somar os limites, que totalizam US$ 1.500. Os valores acima das cotas de isenção podem ser tributados pela Receita Federal.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Prefeitura prorroga Refis e quer arrecadar mais R$ 7 milhões
NOVA OPORTUNIDADE

Prefeitura prorroga Refis
e quer arrecadar mais R$ 7 milhões

Nova decisão confirma Paper Excellence como majoritária da Eldorado Celulose
DECISÃO PROVISÓRIA

Nova decisão confirma Paper Excellence como majoritária da Eldorado Celulose

Queda no preço da arroba do boi não chega aos açougues
CARNE

Queda no preço da arroba do boi não chega aos açougues

RECEITA FEDERAL

Cerca de 700 mil contribuintes caíram na malha fina em 2019

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião