Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, segunda, 19 de novembro de 2018

custo de vida

Comer fora e conta de energia
fazem inflação na Capital subir

IPCA de maio em Campo Grande foi o 4º mais alto entre cidades pesquisadas

9 JUN 2017Por RODOLFO CÉSAR16h:30

Pesquisa sobre o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de maio indicou que comer fora de casa e a energia elétrica foram itens que pesaram no bolso do campo-grandense. Os dados foram divulgados na tarde de hoje.

O IPCA é calculado referindo-se às famílias com rendimento de um (R$ 937) a 40 salários mínimos (R$ 37.480) e abrange 10 regiões metropolitanos do país, além de Campo Grande, Goiânia e Vitória. O cálculo foi feito comparando-se os preços identificados entre 29 de abril e 31 de maio com os de 30 de março a 28 de abril.

No geral, o índice variou 0,42% em maio e a inflação da Capital foi a quarta mais alta do país, dentro do universo pesquisado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O registrou mais alto foi em Recife (PE), com 0,72%. No país, esse mesmo dado ficou em 0,36%.

"O subgrupo com maior variação no período foi combustíveis e energia, com 11,67%. Responsável pela significativa parcela da despesa das famílias, a energia elétrica foi responsável pela alta do IPCA, com aumento de 16,41% em maio para Campo Grande", informou nota técnica.

No mês anterior, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) reduziu a cobrança dessa taxa ao aplicar a compensação aos consumidores devido à pagamento indevido feito em 2016.

A alimentação fora também apresentou aumento de 0,57% para as famílias que moram em Campo Grande. Ao mesmo tempo, comer em casa registrou recuou de 0,74%. "O grupo alimentação e bebidas responde por ¼ das despesas das famílias", divulgou o IBGE.

NESTE ANO

O acumulado da inflação em 2017 para Campo Grande chegou a 1,23%, informou nota do IBGE hoje. No Brasil, o mesmo índice está em 1,42%. No ano passado, essa mesma medição apontava para 4,05 no país.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também