MERCADO

Com crise, JBS pode mirar em<br> frangos e suínos no Estado

Grupo anunciou mais de 500 vagas para o Estado
21/07/2017 05:00 - DA REDAÇÃO


 

Pivô de uma das piores crises políticas e econômicas para o mercado da carne bovina brasileira dos últimos tempos, a JBS anunciou, nesta semana, aumento da produção e contratação de 500 funcionários em Mato Grosso do Sul.

Em nota à imprensa, o grupo informou que as oportunidades estão divididas em sete municípios: Campo Grande (67), Naviraí (16), Anastácio (13), Ponta Porã (20), Cassilândia (5) e Nova Andradina (2).

O destaque no entanto é para Dourados, onde está a unidade de abate de suínos da Seara. Das mais de 500 vagas, 400 são destinadas ao frigorífico. Por meio da assessoria, a companhia informou que pretende ampliar a produção dessas unidades, uma vez que “Mato Grosso do Sul é uma região estratégica para o grupo”, disse.

Para Julio Brissac, analista-chefe e estrategistas de mercado da pecuária de corte da Rural Business, essas contratações podem sinalizar um movimento da companhia que vem sendo cogitado: o de concentrar a produção de carne bovina nos Estados Unidos, onde estão 80% de todas as operações, e focar, no Brasil, no mercado de aves e suínos, ambos em fase de crescimento no Brasil.

De acordo com o analista, também chama a atenção o tipo de planta que se pretende ampliar a produção no Estado, o que indica possível mudança no foco de operações da companhia.

*Leia reportagem, de Renata Prandini, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".