Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

safrinha

Colheita do milho entra na reta final
com preços ainda baixos

Negociação antecipada avançou para 43,5% da produção projetada

31 AGO 17 - 04h:00DA REDAÇÃO

Alta do dólar registrada durante o mês de agosto, o fato de a ponta vendedora (produtor) não estar no mercado e a expectativa de demanda aquecida vêm impactando na negociação antecipada do milho safrinha nesta reta final da colheita em Mato Grosso do Sul.

De acordo com dados fechados até o dia 28 deste mês pela Federação de Agricultura e Pecuária do Estado (Famasul), a comercialização do grão alcançou 43,5% da produção projetada para o Estado, o que representa avanço em relação ao total negociado na semana anterior (41,67%).

Mesmo assim, o ritmo de contratações ainda está em atraso no comparativo com a safra passada. No mesmo período de 2016, a comercialização havia alcançado 68% da safra.

De acordo com o analista de economia da Famasul, Luiz Gama, a colheita está se aproximando do fim e o produtor não está muito (presente) no mercado, por conta dos preços ainda baixos.

No acumulado do mês, o valor da saca ficou em R$ 17,13, registrando alta de 7,8% no período – em algumas praças, como Caarapó, houve aumento de até 12,5% no preço da saca (saindo de R$ 16,00 para R$ 18,00); porém, a média de mercado ainda está abaixo do mínimo de R$ 19,21 estabelecido pelo governo federal para operações de apoio à comercialização do milho em leilões.

“Os leilões também são um termômetro do mercado e, quando são realizados, o governo federal estimula o escoamento da produção, contribuindo para regular oferta e demanda, e isso se reflete nos preços”, pontuou. 

*Leia reportagem, de Daniella Arruda, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ECONOMIA

Intenção de consumo das famílias recua pelo quarto mês, diz CNC

Prefeitura da Capital fica mais longe do limite prudencial da LRF
GASTOS COM PESSOAL

Prefeitura da Capital fica mais longe
do limite prudencial da LRF

BRASIL

Mansueto: mesmo com reforma, governo não retomará investimentos por 3 ou 4 anos

ECONOMIA

Portaria regulamenta revisão de benefícios do INSS

Mais Lidas