Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ECONOMIA

Hortifruti pode custar até 5 vezes mais em MS

Pesquisa foi feita pelo procon em 10 cidades do interior

15 JUL 19 - 10h:53ALÍRIA ARISTIDES E DANIELLA ARRUDA

Pesquisa realizada pela Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon-MS) revelou variação de até 500% no preço de valores de produtos de primeira necessidade que compõem cesta básica e alimentos do setor de hortifruti. O levantamento foi feito em supermercados de dez municípios do interior de Mato Grosso do Sul. 

A pesquisa aponta que a variação de preços de hortifrúti comercializados nos supermercados chega a 528,57%. Entre os produtos que compõem a cesta básica, o índice alcança 131,09% nas regiões pesquisadas no Estado. 

As maiores variações foram observadas, respectivamente, para o maxixe in natura e para o fermento biológico. O quilo do hortifrúti foi encontrado em estabelecimentos da região Sul (Fronteira), formada pelos municípios de Amambai, Coronel Sapucaia e Ponta Porã, pelo preço mínimo de R$ 3,50 e máximo de R$ 22. A média ficou em R$ 10,50 o quilo. 

Já no caso do fermento biológico em embalagem de 10 gramas, a maior variação foi observada para o produto comercializado no sudoeste (localidades de Bela Vista, Jardim, Sidrolândia e Porto Murtinho). Nos estabelecimentos dessa região, o preço mínimo apurado para o produto foi de R$ 1,19, enquanto o máximo chegou a R$ 2,75. Já o custo médio ficou em R$ 1,75 a unidade.

PESQUISA

O levantamento do Procon-MS pesquisou oito estabelecimentos na região Leste — três supermercados de Ivinhema, quatro em Nova Andradina e um em Novo Horizonte do Sul —, 14 na região Sudeste — sendo três supermercados de Bela Vista, quatro em Jardim, quatro em Porto Murtinho e três em Sidrolândia —, além de outros 11 na região Sul-Fronteira (quatro em Amambai, quatro em Coronel Sapucaia e três em Ponta Porã).   

Foram cotados preços em estabelecimentos da cidade de Ivinhema, Nova Andradina, Novo Horizonte do Sul, Bela Vista, Jardim, Porto Murtinho, Sidrolândia, Amambai, Coronel Sapucaia e Ponta Porã. Ao longo do mês de junho, o Procon levantou valores de 27 itens de supermercado e 59 produtos de hortifrúti. 

O Procon também comparou valores médios e diferenças de preços entre cidades das regiões leste, sudeste e sul. Na região leste, o açúcar teve variação de R$3,82 a R$4,90, com valor médio de R$4,49. Já o quilo do feijão carioquinha vendido na região Sudeste custa de R$4,42 a R$7,54 e tem média de preço de R$6,51. No Sul do Estado, o sal varia 41,04%, com valores de R$1,34 a R$1,89 e custo médio de R$1,52.   

O Superintendente do Procon, Marcelo Salomão, explicou que a pesquisa teve por finalidade possibilitar ao consumidor economizar, adquirindo produtos por valores mais baratos. Salomão esclarece que a intenção “é ajudar a população e facilitar que nesse momento de crise possam comprar os itens mais baratos em variados estabelecimentos.”

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BC aumentará uso de reservas internacionais para intervir no câmbio
ECONOMIA

BC aumentará uso de reservas para intervir no câmbio

HABITAÇÃO

Governo diz que 177 mil moradias já foram contratadas este ano no País

ECONOMIA

Mercosul concluiu acordo comercial com países do Efta, diz Bolsonaro

ECONOMIA

Caixa avalia mudança para taxa prefixada no financiamento imobiliário

Mais Lidas