Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ECONOMIA

Hortifruti pode custar até 5 vezes mais em MS

Pesquisa foi feita pelo procon em 10 cidades do interior
15/07/2019 10:53 - ALÍRIA ARISTIDES E DANIELLA ARRUDA


 

Pesquisa realizada pela Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon-MS) revelou variação de até 500% no preço de valores de produtos de primeira necessidade que compõem cesta básica e alimentos do setor de hortifruti. O levantamento foi feito em supermercados de dez municípios do interior de Mato Grosso do Sul. 

A pesquisa aponta que a variação de preços de hortifrúti comercializados nos supermercados chega a 528,57%. Entre os produtos que compõem a cesta básica, o índice alcança 131,09% nas regiões pesquisadas no Estado. 

As maiores variações foram observadas, respectivamente, para o maxixe in natura e para o fermento biológico. O quilo do hortifrúti foi encontrado em estabelecimentos da região Sul (Fronteira), formada pelos municípios de Amambai, Coronel Sapucaia e Ponta Porã, pelo preço mínimo de R$ 3,50 e máximo de R$ 22. A média ficou em R$ 10,50 o quilo. 

Já no caso do fermento biológico em embalagem de 10 gramas, a maior variação foi observada para o produto comercializado no sudoeste (localidades de Bela Vista, Jardim, Sidrolândia e Porto Murtinho). Nos estabelecimentos dessa região, o preço mínimo apurado para o produto foi de R$ 1,19, enquanto o máximo chegou a R$ 2,75. Já o custo médio ficou em R$ 1,75 a unidade.

PESQUISA

O levantamento do Procon-MS pesquisou oito estabelecimentos na região Leste — três supermercados de Ivinhema, quatro em Nova Andradina e um em Novo Horizonte do Sul —, 14 na região Sudeste — sendo três supermercados de Bela Vista, quatro em Jardim, quatro em Porto Murtinho e três em Sidrolândia —, além de outros 11 na região Sul-Fronteira (quatro em Amambai, quatro em Coronel Sapucaia e três em Ponta Porã).   

Foram cotados preços em estabelecimentos da cidade de Ivinhema, Nova Andradina, Novo Horizonte do Sul, Bela Vista, Jardim, Porto Murtinho, Sidrolândia, Amambai, Coronel Sapucaia e Ponta Porã. Ao longo do mês de junho, o Procon levantou valores de 27 itens de supermercado e 59 produtos de hortifrúti. 

O Procon também comparou valores médios e diferenças de preços entre cidades das regiões leste, sudeste e sul. Na região leste, o açúcar teve variação de R$3,82 a R$4,90, com valor médio de R$4,49. Já o quilo do feijão carioquinha vendido na região Sudeste custa de R$4,42 a R$7,54 e tem média de preço de R$6,51. No Sul do Estado, o sal varia 41,04%, com valores de R$1,34 a R$1,89 e custo médio de R$1,52.   

O Superintendente do Procon, Marcelo Salomão, explicou que a pesquisa teve por finalidade possibilitar ao consumidor economizar, adquirindo produtos por valores mais baratos. Salomão esclarece que a intenção “é ajudar a população e facilitar que nesse momento de crise possam comprar os itens mais baratos em variados estabelecimentos.”

Felpuda


Em uma das eleições em MS, candidato já oficializado na convenção corria o trecho para conquistar os eleitores. Mal sabia, porém, que time do seu partido e de aliados estava tramando sua derrubada para emplacar substituto que teria mais votos. Por muito pouco, o dito-cujo não foi guilhotinado, conseguindo salvar o pescoço. Agora tudo indica que o mesmo processo estaria em andamento e seria mais fácil, pois a “vítima” desta vez ainda é só pré-candidato. Dizem que a “turma da trairagem” tem know-now no assunto.