VENDAS AO EXTERIOR

Celulose sustenta balança comercial de MS com 50,3% da exportação

No 1º bimestre, receita somou US$ 339,4 milhões
08/03/2019 05:00 - DA REDAÇÃO


 

Responsável por 50,3% de participação na pauta de exportações de Mato Grosso do Sul no primeiro bimestre deste ano, a celulose bateu recorde na receita de vendas externas nos meses de janeiro e fevereiro e totalizou US$ 339,437 milhões, de acordo com dados da Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia. Entre janeiro e fevereiro, as exportações sul-mato-grossenses alcançaram valor total de US$ 674,774 milhões, representando crescimento de 1,53% diante do mesmo período de 2018, quando as vendas externas do Estado ficaram em US$ 664,583 milhões. 

Somente no comparativo com o mesmo período de 2018, quando foram vendidos US$ 273,349 milhões em celulose para o exterior, o avanço foi de 24,1%. Em relação ao volume enviado para o exterior, o aumento foi de 3,7% e os embarques de celulose produzida e processada em MS totalizaram 682,850 mil toneladas, ante 658,301 mil toneladas entre janeiro e fevereiro do ano passado. 

De acordo com o consultor de empresas e especialista em mercado exterior Aldo Barigosse, o bom desempenho da celulose nas exportações sul-mato-grossenses resulta da expansão que o produto teve no Estado a partir da década passada. “Nos últimos 10 anos, Mato Grosso do Sul vem se consolidando como principal fornecedor de celulose para o mundo. Havia uma fábrica em Três Lagoas, depois passaram a ser duas [Eldorado e Fibria], e há pouco tempo essa segunda indústria fez a sua ampliação e dobrou de tamanho. Isso fez com que se ampliasse a oferta de celulose, é um número expressivo [o montante comercializado para o exterior] e que vai se manter pelos próximos anos”, destacou.

* Leia a reportagem, de Daniella Arruda, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".