Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

DESEMPENHO POSITIVO

Captação líquida da poupança<br> fica em R$ 2,14 bilhões

Resultado foi o melhor para meses de agosto desde 2013
06/09/2017 17:03 - Istoé


Pelo quarto mês seguido, os brasileiros depositaram mais do que sacaram na poupança. Em agosto, a captação líquida (depósitos menos retiradas) somou R$ 2,14 bilhões, informou hoje (6) o Banco Central.

O valor é menor que a captação líquida registrada em julho (R$ 2,34 bilhões), mas foi o melhor resultado para meses de agosto desde 2013, quando os depósitos tinham superado as retiradas em R$ 4,65 bilhões.

Apesar do desempenho positivo nos quatro últimos meses, as retiradas continuam maiores que os depósitos em 2017.

Nos oito primeiros meses do ano, a caderneta de poupança registrou saques líquidos de R$ 7,81 bilhões. Mesmo assim, esse foi o melhor resultado para o período de janeiro a agosto desde 2014, quando a aplicação tinha registrado captações líquidas de R$ 14,16 bilhões.

Até 2014, os brasileiros depositavam mais do que retiravam da poupança. Naquele ano, as captações líquidas chegaram a R$ 24 bilhões.

Com o início da recessão econômica, em 2015, os investidores passaram a retirar dinheiro da caderneta para cobrirem dívidas, num cenário de queda da renda e de aumento de desemprego. Em 2015, R$ 53,5 bilhões foram sacados da poupança, a maior retirada líquida da história. Em 2016, os saques superaram os depósitos em R$ 40,7 bilhões.

Rendimento

A poupança voltou a atrair recursos mesmo com a queda de juros. Isso porque o investimento voltou a garantir rendimentos acima da inflação, que está em queda.

Nos 12 meses terminados em agosto, a poupança rendeu 6,90%. Já a inflação oficial, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgada hoje (6), soma 2,46% no mesmo período, no menor nível no acumulado de 12 meses desde fevereiro de 1999.

Apesar da queda dos juros, a poupança continua atrativa. Hoje, o Banco Central deve reduzir a taxa Selic (juros básicos da economia) para 8,25% ao ano, mudando as regras da caderneta, que passará a render menos.

Mesmo assim, de acordo com a Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), o dinheiro investido na poupança continuará rendendo mais que a maioria dos fundos de investimentos.

Felpuda


Alguns políticos estão se aproveitando deste momento preocupante de pandemia para sugerir projetos oportunistas que, em alguns casos, são de resultados extremamente duvidosos. O mais interessante – para não dizer outra coisa – é que se for analisado o desempenho normal dessas figuras, verifica-se que essa preocupação toda nunca esteve no topo das suas prioridades. Ano eleitoral é assim mesmo. Lamentável!