Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

AGRICULTURA FAMILIAR

Capital terá 14 pontos de
vendas de legumes e verduras

Proposta deve começar pela região das Moreninhas

3 JUN 17 - 05h:30BÁRBARA CAVALCANTI E DANIELLA ARRUDA

Além de receber assistência técnica e acompanhamento da produção nas propriedades a partir de agora, por meio do programa Rota do Sabor, lançado oficialmente nesta sexta-feira pela prefeitura, agricultores familiares de Campo Grande poderão ganhar 14 pontos próprios para comercialização na Capital a partir do segundo semestre deste ano, começando pela região das Moreninhas.

A expectativa é de que o projeto, orçado em R$ 7 milhões e atualmente em análise pelo sistema de convênios do governo federal, tenha início em julho, prazo estimado para empenho de emendas parlamentares, informou nesta sexta o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, de Ciência e Tecnologia, Luiz Fernando Buainain.

“Se eu [produtor] produzo, eu tenho que ter onde vender. Posso vender direto para um distribuidor, para a Ceasa [Centrais de Abastecimento], para uma cooperativa, mas também em um local onde a população vai consumir. Por exemplo, o orgânico tem alguns pontos de venda: na Praça do Rádio, no estacionamento da prefeitura, agora iniciou-se no Shopping Bosque dos Ipês. Então, são lugares de comercialização. Nós estamos chamando de células de comercialização, esses 14 [pontos] que estamos querendo implantar por meio de um convênio com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa)”, explicou. 

Conforme o titular da Sedesc, o projeto de Campo Grande que propõe criação das chamadas células de comercialização dos produtores de várias regiões – ao custo médio de R$ 500 mil cada uma  – já está inscrito no Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse (Siconv) do governo federal, dependendo do empenho de emendas para ter início.

O primeiro local contempla a região das Moreninhas, por conta do programa Rota do Sabor, iniciado na Chácara das Mansões, “mas o prefeito [Marcos Trad] quer que também se expanda para outros bairros da nossa capital, fomentando e oportunizando a grande fatia que nós temos da agricultura familiar, que é de muita relevância para a nossa capital”, destacou.

SUPORTE TÉCNICO

De acordo com Djalma Pereira, presidente da Associação de Moradores da Chácara das Mansões, a intenção é aumentar a produtividade da região por meio do projeto.

“Temos aqui um potencial muito grande de chácaras, um cinturão verde muito grande e que precisa ser desenvolvido” –, fazendo com que eles possam diversificar a produção e complementar novos ciclos de cultura. Com produção de hortaliças e frutas, o carro-chefe da região é a alface; já o plantio de fruta depende da época. “Neste ano, teve muito poncã”.

A média de rendimento do produtor na região é variável e de acordo com a cultura.

“Tem um produtor que comercializa 500 caixas mensais de alface. Sendo vendidas a R$ 20, geraria renda bruta de R$ 10 mil, mas não chega a ser uma média geral. Daqui para a frente, por meio do projeto, vamos poder elaborar melhor a renda e a produção. Vai ser importante inclusive para o produtor poder planejar e visualizar melhor a sua renda líquida final”, concluiu.

Maurício Akamine, 63 anos, é um dos produtores integrantes do projeto. Com a adesão à iniciativa, a expectativa é dobrar a área plantada, de três para seis hectares de hortaliças. “Eu produzo há 35 anos e é a primeira vez que está havendo incentivo em assistência técnica aqui, para os produtores da região”, enfatizou.

POTENCIAL

De acordo com o titular da Sedesc, Luiz Fernando Buainain, o papel da prefeitura no programa será dar informação exata e números importantes ao produtor sobre produção e consumo, para que ele possa produzir efetivamente esses produtos que são necessários.

“Campo Grande só produz 4% do que nós consumimos. Então, nós temos uma grande oportunidade, 96%, de produzir vários produtos, como, por exemplo, abacaxi, mamão, banana, maracujá, que tem um porcentual muito pequeno de produção e nós temos que buscar fora, de outros municípios ou de outros estados, para poder complementar o consumo dentro da nossa Capital”, concluiu.

O potencial de expansão da produção local é imenso. Somente da batata-doce, deu como exemplo, o Ceasa consome 11 mil toneladas por ano e Campo Grande produz 837 toneladas apenas.

“Dá uma evasão de divisa de aproximadamente R$ 137 milhões”, mencionou. “Temos apoio, qualificação da mão de obra, terra, 169 microbacias hidrográficas em Campo Grande e ainda a energia solar. Com esses quatro pilares, se faz a produção e teremos a oportunidade de escoar toda essa produção, sem perda e sem prejuízo para o produtor”, defendeu.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Infraero cobrará antecipadamente tarifa de operação de voos da Avianca

Em MS, 350 profissionais terão de rever declaração na Receita
OPERAÇÃO PANDORA

Em MS, 350 profissionais terão de rever declaração na Receita

Fábrica de MDF em Água Clara oferecerá 100 novos empregos
DESENVOLVIMENTO LOCAL

Fábrica de MDF em Água Clara oferecerá 100 novos empregos

Ministério do Trabalho investigará demissão em massa na Mabel
TRÊS LAGOAS

MPT investigará demissão em massa na Mabel

Mais Lidas