Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

OUTUBRO

Campo Grande tem a maior inflação entre as capitais do País

Aumento nos preços da carne e combustíveis puxaram a inflação em outubro
07/11/2019 20:18 - GLAUCEA VACCARI


 

Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial, fechou outubro em 0,31% em Campo Grande. Conforme divulgado nesta quinta-feira (7) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o índice registrado na capital sul-mato-grossense é o maior do País. 

Aumento nos preços de carnes e gasolina, de 4,47% e 2,29%, respectivamente, puxaram a alta. Também registraram majoração de preços os grupos de transportes (0,90), alimentação e bebidas (0,72%), despesas pessoais (0,38%), educação (0,28%) e saúde e cuidados pessoais.

Houve queda nos preços de itens dos grupos de artigos de residência (-0,57%), habitação (-0,37%), vestuário (-0,20%) e comunicação (-0,07%).

A inflação vem após Campo Grande registrar dois meses de deflação, com -0,04% em setembro e -0,21% em agosto. No acumulado do ano, inflação acumulada é de 2,62%, enquanto nos últimos 12 meses índice é de 2,37% na Capital. 

No Brasil, a inflação medida pelo IPCA fechou outubro com alta de 0,10%, ante um recuo de 0,04% em setembro. A taxa acumulada pela inflação no ano foi de 2,60% e, em 12 meses, ficou em 2,54%.

Na comparação entre os índices regionais, Campo Grande apresenta o maior índice, seguida por Vitória Vitória (0,29%), Rio de Janeiro (0,27%), Belém (0,22%) e Belo Horizonte (0,17%). Quanto as deflações, as maiores ocorreram em São Luís (-0,37%), Rio Branco (-0,14) e Curitiba (-0,12).

Felpuda


Alguns políticos estão se aproveitando deste momento preocupante de pandemia para sugerir projetos oportunistas que, em alguns casos, são de resultados extremamente duvidosos. O mais interessante – para não dizer outra coisa – é que se for analisado o desempenho normal dessas figuras, verifica-se que essa preocupação toda nunca esteve no topo das suas prioridades. Ano eleitoral é assim mesmo. Lamentável!