Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ipca

Campo Grande registra deflação
de 0,40%, segundo IBGE

No ano, inflação na Capital chega a 0,83%

8 JUL 17 - 04h:30DANIELLA ARRUDA

Campo Grande registrou deflação de 0,40% no mês de junho, de acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) divulgado ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado foi influenciado principalmente pela queda nas contas de energia elétrica (-4,43%), o que contribuiu para puxar para baixo o grupo Habitação, que compõe o índice pesquisado pelo IBGE, somado à redução de preços dos combustíveis (respectivamente de -3,36% para a gasolina e -2,13% para o etanol), impactando também negativamente o grupo Transportes. 

Ainda de acordo com o IBGE, houve recuo no grupo Alimentação e Bebidas, que mais pesa na composição da inflação medida pelo IPCA: na Capital sul-mato-grossense, além do impacto de quedas de preços em alimentos como legumes e verduras, a alimentação em casa ficou 1,32% mais barata em junho, enquanto a alimentação fora do lar teve queda de 0,43%.

No ano, a inflação acumulada em Campo Grande chega a 0,83%, e nos últimos 12 meses a 3,94%.

GRUPOS

Com a maior redução individual por grupo (-1,16%), Habitação teve como principal contribuição para a deflação de Campo Grande no mês de junho a energia elétrica residencial (que ficou 4,43% mais barata), de acordo com o IBGE.

Em seguida, o grupo Alimentação e Bebidas, que deflacionou 1,05%, resultado da queda de preços em itens como tubérculos, raízes e legumes (-12,07%) e hortaliças e verduras (-6,70%). Em se tratando da alimentação em casa (-1,32%) e fora do lar (-0,43%), Campo Grande apresentou a segunda maior deflação dentre as regiões pesquisadas, respectivamente atrás de Porto Alegre (-1,45%) e Brasília (-0,62%).

Outros dois grupos que compõem o IPCA registraram deflação: Artigos de Residência (-0,52%), em decorrência da queda de preços observada em cama, mesa e banho (-3,43%) e mobiliário (-1,43%); e Transportes (-0,25%), por causa da queda de 3,10% nos preços dos combustíveis.

ALTAS

Em contrapartida, tiveram variação positiva dentro do índice os grupos Saúde e Cuidados Pessoais (0,54%) – pressionados por aumento de preços em produtos óticos (1,55%), plano de saúde (1,03%) e produtos farmacêuticos (0,97%) –; e Vestuário, com 0,42%, em função de alta de preços em roupa feminina (1,42%).

Ainda conforme o IBGE, apresentaram menores elevações os grupos Educação (0,10%), como resultado de reajustes de preços em papelaria (1,17%) e Despesas Pessoais, com variação de 0,08%. O grupo Comunicação ficou estável no mês de junho. 

O IPCA é aferido pelo IBGE em dez regiões metropolitanas do País, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande e Brasília, referindo-se às famílias com rendimento de um a 40 salários mínimos.

Já o Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande (IPC/CG), que é calculado pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais (Nepes), da Uniderp, e foi divulgado na edição de ontem do Correio do Estado, aponta que a Capital sul-mato grossense encerrou o mês de junho com deflação (-0,15%). Segundo esse levantamento, foi a menor taxa registrada desde junho de 2013, quando o índice fechou em -0,35%, de acordo com a série histórica do estudo. 

INPC

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), calculado pelo IBGE sobre o rendimento das famílias de um a cinco salários mínimos, também fechou em deflação em Campo Grande no mês de junho, alcançando -0,47%. No ano, a taxa está acumulada em 0,41%, e nos últimos 12 meses chega a 3,06%. 

NACIONAL

No País, a queda nos preços de energia elétrica, alimentos e combustíveis em junho fez o País ter a primeira deflação em 11 anos.

O IPCA, índice oficial de inflação, recuou 0,23% no mês. Esse movimento de queda de preços – a deflação – não ocorria desde junho de 2006. O índice veio mais robusto do que o esperado por analistas consultados pela agência Bloomberg (de queda de 0,18%), e é o mais baixo desde agosto de 1998, quando o IPCA caiu 0,51%.

O País vive um movimento de redução acelerada da inflação, em função principalmente da crise econômica e do desemprego, que desestimulam o consumo e “levam o comércio a fazer ofertas e promoções”, disse Eulina Nunes, coordenadora do Índice de Preços do órgão.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Litro da gasolina atinge maior preço dos últimos dois meses
CAMPO GRANDE

Litro da gasolina atinge maior preço dos últimos dois meses

ECONOMIA

BNDES apresenta nova linha de crédito para micro e pequena empresas

BRASIL

Mourão defende reforma da Previdência para recuperar confiança no país

Frigorífico oferece 30 vagas <br>de emprego em diversas áreas
OPORTUNIDADE

Frigorífico oferece 30 vagas de emprego na Capital

Mais Lidas