Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BOVINOS E BUBALINOS

Campanha de vacinação contra a febre aftosa termina neste sábado em MS

Expectativa é que 99% do rebanho seja vacinado no Estado
15/06/2019 14:47 - GLAUCEA VACCARI


 

Prazo para que pecuaristas da região do Pantanal realizem a vacinação de bovinos e bubalinos contra a febre aftosa termina neste sábado (15), encerrando a campanha em Mato Grosso do Sul. Apesar do fim da vacinação, os produtores desta região tem até o dia 30 de junho para efetuar o registro junto à Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro).

Nas regiões do planalto e fronteira, a vacinação terminou no dia 31 de maio e a data final para o registro do rebanho vacina também encerra neste sábado. 

De acordo com balanço parcial da campanha divulgado pelo governo do Estado, com dados recebidos até sexta-feira (14), na região do planalto o alcance é 92,80% do rebanho declarado vacinado, enquanto na fronteira números chegam a 93,35% e, no Pantanal, 70,33%.

Segundo dados da Iagro, até ontem ainda existiam mais de 1,9 milhão de vacinas comercializadas, mas ainda não declaradas no sistema da agência, o que indica que o porcentual de rebanho vacinado pode ser maior até o fechamento da campanha. 

Estimativa da agência é vacinar cerca de  20 milhões de animais no Estado, em 57.025 propriedades. O produtor que deixar de vacinar ou não registrar a vacina estará sujeito a multa. 

Coordenador do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção de Febre Aftosa (PNEFA), Fernando Endrigo Ramos Garcia, a expectativa é que os pecuaristas de Mato Grosso do Sul alcancem novamente índices superiores a 99%.

O balanço final do planalto e fronteira deve ser divulgado na segunda-feira (17). 

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?