Campo Grande - MS, quarta, 15 de agosto de 2018

Plano safra

Caixa confirma R$ 94,5 mi para
financiar agronegócio em MS

Valor disponível é 350% maior que o crédito contratado em 2016

6 JUL 2017Por DANIELLA ARRUDA15h:43

A Caixa Econômica Federal projeta contratar R$ 94,5 milhões em financiamentos para o agronegócio de Mato Grosso do Sul durante o Plano Safra 2017/2018, montante 350% maior que o crédito contratado no ano passado, de R$ 21 milhões.

A estimativa, realizada sobre os três primeiros meses do ano safra (julho a setembro), período em que geralmente há aumento de até 50% no número de contratações para crédito rural, foi apresentada hoje a autoridades, entidades do setor produtivo, parceiros em assistência técnica e gerentes do banco no Estado pelo diretor-executivo da Caixa, Marcio Recalde, em evento com a participação do superintendente regional da instituição em Mato Grosso do Sul, Evandro Narciso Lima.

No País, a instituição bancária planeja disponibilizar ao mercado R$ 10 bilhões, por meio de linhas com recursos obrigatórios, livres e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). 

“A retomada da economia brasileira passa pelo setor produtivo e um terço do PIB (Produto Interno Bruto) é da agropecuária, assim como 48% a 49% das exportações vêm do agronegócio. Não há como fazer essa retomada sem incentivar o produtor rural”, destacou Recalde.

Ainda segundo o diretor-executivo, a Caixa entrou há pouco mais de três anos no crédito rural. Em Mato Grosso do Sul, enfatizou, “entendemos que há um grande potencial — no primeiro trimestre do ano safra, para se ter uma ideia, o aumento na contratação de crédito rural chega próximo de 60% —, e como a Caixa ainda é nova no setor e dispõe de uma carteira pequena, há muito a crescer”, considerou.

Neste Plano Safra, lembrou Recalde, houve redução de um ponto percentual na taxa geral de juros do custeio agrícola e pecuário, para 8,5% e 7,5% respectivamente. Esses juros são para o Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp) e os recursos dos depósitos à vista foram direcionados para o custeio, além de o limite de contratação também ter mudado.

“Antes, o produtor só podia tomar o valor dividido em dois semestres; agora pode tomar o recurso de uma vez (em uma única operação) desde o dia 5 de julho, se assim desejar”, comparou.

Em se tratando das condições de financiamento, o diretor-executivo da Caixa ressaltou que o banco trabalha com processo simplificado — “para as operações de custeio agrícola de até R$ 500 mil, a análise técnica da proposta ocorre online, diretamente na agência”, explicou. São disponibilizados 54% de recursos para a soja; 19% para a pecuária e 11% para produção do milho.  

Com uma carteira de 637 clientes ativos apenas no crédito rural, 1.300 projetos financiados e 163 empresas de assistência técnicas parceiras atualmente, a Caixa dispõe de 49 agências habilitadas para atender o produtor rural no Estado.

Leia Também