Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

RECURSOS

Banco do Brasil vai liberar
R$ 3,1 bi para setor automotivo

Os recursos estão previstos em um protocolo de intenções foi assinado hoje (19)

19 AGO 15 - 19h:00AGÊNCIA BRASIL

O Banco do Brasil (BB) vai liberar R$ 3,1 bilhões para fornecedores de 26 empresas até o final deste ano. Os recursos estão previstos em um protocolo de intenções assinado hoje (19) para dar apoio financeiro e comercial às cadeias produtivas do setor automotivo e de máquinas agrícolas. Participaram da assinatura do termo diretores do BB e representantes da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças) e da Federação Nacional das Distribuidoras de Veículos Automotores (Fenabrave).

A partir de convênios específicos, o BB vai antecipar os valores aos fornecedores dessas empresas para toda a programação de encomendas. Normalmente, os pagamentos seriam feitos gradualmente, acompanhando as entregas. 

O mecanismo vai ajudar a capitalizar os fornecedores, evitando que seja necessário recorrer a linhas de crédito com juros elevados. Para as montadoras e os fabricantes de autopeças, as condições permitem negociar prazos mais vantajosos. A ideia é manter o funcionamento da cadeia de insumos do setor no cenário econômico adverso, evitando a substituição das compras nacionais por fornecedores estrangeiros.

O BB pretende firmar novos acordos do tipo, ampliando a experiência para outras atividades, como incorporadoras e grandes exportadoras. Pelas projeções do banco, os desembolsos devem alcançar R$ 9 bilhões, favorecendo cerca de 500 grupos em diversas cadeias produtivas. 

Durante o anúncio, o presidente do Banco do Brasil, Alexandre Corrêa Abreu, considerou desafiadora a atuação de uma instituição financeira na concessão de crédito em um momento de baixa atividade econômico. Segundo ele, o BB estudou a estratégia de forma a não colocar em risco o capital da instituição. “Temos convicção de que [a medida] não resolve todos os problemas [da economia], mas vai minimizar as dificuldades da cadeia automotiva."

Para o presidente da Anfavea, Luiz Moan, a agilidade do processo de liberação de recursos implicará redução de custos, que poderão ser canalizados para investimentos em produção, e, consequentemente, no impulso à economia. Embora tenha comemorado, o presidente do Sindipeças, Paulo Butori, considerou a medida “tardia”.

Com o mesmo propósito de atingir a retomada do crescimento econômico, a Caixa Econômica Federal assinou um convênio ontem (18) com as entidades de classe do setor automotivo, que prevê condições especiais nas linhas de capital de giro e investimento, além de condições diferenciadas em linhas de crédito e outros produtos e serviços do banco.

A instituição vai oferecer linhas de crédito em antecipação de contratos entre fornecedores e a indústria como forma de suprir a necessidade de capital de giro e de investimento. As taxas de juros serão a partir de 0,83% com prazo de 60 meses e carência de até seis meses para começar a pagar as parcelas.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

INSS suspende 3,2 mil benefícios por indícios de fraude em MS
PENTE FINO

INSS suspende 3,2 mil benefícios por indícios
de fraude em MS

Pagamento do 13º do Bolsa Família soma R$ 42 milhões em MS
BENEFÍCIO

Pagamento do 13º do Bolsa Família soma R$ 42 milhões em MS

Carnes podem continuar subindo até fim de janeiro ou início de fevereiro, diz FGV
SEU BOLSO

Carnes podem continuar subindo até fim de janeiro ou início de fevereiro, diz FGV

Fiscais defendem gratificação de “produtividade” para aposentados
VERBA EXTRA SOB AMEAÇA

Fiscais defendem gratificação de “produtividade” para aposentados

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião