Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

PECUÁRIA

Aumento da demanda externa estimula reabertura de frigoríficos

A medida refletirá na geração de empregos e novas possibilidades de exportações para o Estado

27 SET 19 - 10h:00SÚZAN BENITES

A reabertura da planta frigorífica em Coxim e o anúncio de reativação do frigorífico em Rio Verde de Mato Grosso trazem a retomada de empregos e novas possibilidades de exportações para Mato Grosso do Sul. O Estado encerrou 2018 com 134 unidades (entre processamento de peixe, bovinos, aves e suínos), conforme dados da Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul (Fiems), que respondem pela geração de 26.135 empregos e um valor de produção de R$ 14,5 bilhões. 

A JBS possui mais de 15 unidades no Estado, em dez municípios, com mais de 15 mil trabalhadores, e retomou em agosto a operação na unidade de Coxim. De acordo com o gerente-administrativo da Associação Comercial e Industrial de Coxim, Cícero José da Silva, a reabertura do frigorífico foi positiva para a cidade. 

RETOMADA

A reativação da indústria frigorífica em Rio Verde de Mato Grosso foi anunciada no dia 19 deste mês, durante o projeto Governo Presente. Segundo o titular da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck, a planta industrial gerará até 500 empregos. “No próximo ano, serão 200 empregos e, até o fim, 500 empregos. Uma planta que vai atender o mercado interno e habilitar para o mercado internacional. Os investimentos previstos para a reativação da indústria chegam a R$ 40 milhões, porque ela precisa ser modernizada para ser cadastrada no Serviço de Inspeção Federal (SIF). Uma doação de 5 hectares já foi realizada pela prefeitura, porque é necessário adequar a planta às exigências dos mercados nacional e internacional”, detalhou o secretário.

De acordo com o prefeito de Rio Verde, Mário Kruger, com a vinda do frigorífico, que deve ser inaugurado em janeiro de 2020, a população será beneficiada. “Hoje, nós cedemos cerca de 400 funcionários para São Gabriel do Oeste, que trabalham nas indústrias frigoríficas de lá. São 24 horas de ônibus rodando e as pessoas se deslocando para lá. Agora, elas terão a oportunidade de ficar aqui, em sua casa. Com a vinda do frigorífico, nós reivindicamos que sejam feitas uma estrada no espaço onde é nosso parque de exposições e uma ponte para chegar ao frigorífico. O local estava parado e foi arrematado pela associação MS Bois. Até o fim do ano, no máximo início de janeiro, estará em operação”, disse.

A planta industrial abre possibilidades para a exportação. Conforme o secretário, esse frigorífico de Rio Verde pode se credenciar para exportar para Israel. “Esse é um momento muito propício, a nossa ideia é posicionar o Brasil, e o Estado entra muito forte nisso, como exportador de proteína animal. Nós queremos cada vez mais no futuro exportar menos farelo e soja e mais suínos, bovinos e aves. Mato Grosso do Sul cresceu em mais de 30% na exportação de carne bovina. Só na base suinocultura, são mais de R$ 200 milhões de investimentos de empresários, tanto a Aurora quanto a Seara de Dourados ampliaram sua capacidade industrial. O que nós precisamos hoje é investir mais em suinocultura. Nós temos uma previsão de que daqui até o próximo ano serão investidos quase R$ 350 milhões”, detalhou  Verruck.

Em 2018, segundo dados da Associação de Matadouros, Frigoríficos e Distribuidores de Carne (Assocarnes-MS), entraram em operação ou retomaram funcionamento as unidades frigoríficas de Nioaque e Santa Rita do Pardo. 

Leia também

Ministra anuncia cooperação com a Embrapa para abrir mercados

EXPORTAÇÕES

A ministra Tereza Cristina falou ontem, durante o encontro dos ministros do Brics, que a atuação não só do Mato Grosso do Sul, mas do Brasil como um todo ainda é tímida em relação às exportações. “Somos muito acostumados a fazer soja, carnes, proteína animal, um pouco de milho e algodão. Somos acostumados a trabalhar, enfim, com commodities. Estas pessoas do setor privado que nos acompanharam elas ficaram estarrecidas com o mercado potencial que o Kwait tem, por exemplo, para produtos de valor agregado brasileiro. A renda per capita lá é de US$ 40 mil. Eles são acostumados a comprar produtos de grande qualidade. Então vamos ter de agregar valor”. 

Sobre a venda de carne bovina in natura para os Estados Unidos, ela disse que, após visitas técnicas do país, ainda aguarda o relatório final para reabertura do mercado, que deve ser divulgado entre setembro e outubro.  

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Governo quer leiloar 44 ativos de infraestrutura em 2020, diz ministro
BRASIL

Governo quer leiloar 44 ativos de infraestrutura em 2020, diz ministro

Municípios pedem receita do pré-sal para pagar salários
BRASIL

Municípios pedem receita do pré-sal para pagar salários

Redução de 25% em salários de servidores será votada em 2020
SENADO

Redução de 25% em salários de servidores será votada em 2020

COSTA BRASILEIRA

Caixa começa a pagar auxílio emergencial a pescador na próxima segunda

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião