CRISE

Auditores da Receita iniciam paralisação na quarta-feira

A categoria inicia paralisação por tempo indeterminado
17/08/2015 22:00 - AGENCIA BRASIL


O Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Sindifisco Nacional) informou hoje (17) que a categoria inicia paralisação por tempo indeterminado a partir de quarta-feira (19). Segundo o sindicato, os serviços prestados à população serão mantidos, entre eles a restituição do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) e a fiscalização de bagagem acompanhada e desacompanhada, de perecíveis, medicamentos, fornecimento de bordo, tripulações, animais vivos e urnas mortuárias.

A assessoria de comunicação do Sindifisco informou que serão interrompidas atividades relacionadas à arrecadação, como fiscalização de empresas e lançamento de créditos tributários. Segundo a assessoria, a orientação do sindicato nacional é para que a população não seja afetada por contratempos como filas nos aeroportos, como ocorreu semana passada, quando os auditores fizeram operação padrão no Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim, no Rio de Janeiro. Segundo a assessoria, o ato foi uma decisão local.

Os auditores reivindicam reajuste de 35% para o teto salarial e de 55% para o piso, além de aprovação da Proposta de Emenda à Consituição (PEC) 186, que garante autonomia financeira e orçamentária da Receita Federal e autonomia funcional aos auditores, e regulamentação da Lei Orgânica do Fisco e alteração do Regimento Interno da Receita, com reforço da autoridade dos auditores.

De acordo com o Sindifisco Nacional, a categoria tem reunião agendada para sexta-feira (21) com o secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Sérgio Mendonça, de modo a continuar discutindo a pauta de reivindicações. Segundo comunicado do sindicato, os auditores estão dispostos a negociar.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".