Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 17 de outubro de 2018

lei kandir

Aprovada urgência para projeto
que compensa estados por perdas

Mato Grosso do Sul já teria perdido R$ 6 bilhões em 11 anos

6 DEZ 2017Por AGÊNCIA CÂMARA, COM DA REDAÇÃO19h:38

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 292 votos, o regime de urgência para o Projeto de Lei 8132/17, ao qual está apensado o PL 8965/17, do Poder Executivo, que libera R$ 1,9 bilhão aos estados e municípios a títulos de fomento das exportações.

Esse fomento é uma espécie de compensação pela desoneração de tributos nas exportações, principalmente o ICMS.

A Confederação Nacional da Agricultura (CNA) é totalmente contra a revogação da Lei Kandir para aumentar a receita dos governos estaduais com a retomada da cobrança do ICMS dos produtos exportados. 

De acordo com a nota oficial divulgada durante coletiva realizada na terça-feira (5), em Brasília, a CNA afirma que “a Lei Kandir promoveu na economia brasileira um ambiente mais estável e favorável”, ressaltando que antes da lei  “o saldo deficitário das exportações promovia desestabilização e ataques especulativos à nossa moeda”.

Nos últimos 11 anos, Mato Grosso do Sul perdeu R$ 6 bilhões, segundo dados do governo estadual. O governador Reinaldo Azambuja (PSDB), em julho deste ano, reuniu-se com o presidente Michel Temer para pedir mudanças na lei.

"A proposta da União é achar uma equação que atenda os estados e remetê-la ao Congresso Nacional, como determinou o Supremo. Uma das propostas é permitir que os estados cobrem ICMS dos produtos, mas não está definida uma alíquota e se realmente este será o caminho. Mas que vão mudar e reduzir as perdas para os estados, isso é certo, esse foi o compromisso do presidente Michel Temer”, afirmou o governador em julho.

Os estados exportadores só receberam recursos do FEX (Fundo de Auxílio Financeiro para Fomento das Exportações), mas em montantes que não compensam integralmente as perdas.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também