Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

DECISÃO NACIONAL

Aprovada criação da Câmara Nacional do Comércio de Combustíveis

Decisão foi tomada pela Confederação Nacional do Comércio

7 JUL 19 - 16h:25ALINE OLIVEIRA

O terceiro setor mais importante do comércio varejista, em termos de geração de tributo e receita é o de combustíveis e lubrificantes. Juntos movimentam R$ 267 bilhões em vendas, além de ocuparem o segundo lugar de maior empregadores do Brasil. 

Os dados apresentados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e foram apresentados na justificativa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), para explicar a criação da Câmara Brasileira do Comércio de Combustíveis (CBCC). 

A formalização do grupo aconteceu na primeira semana de julho  e segundo informações do presidente da CNC, José Roberto Tadros, terá participação ativa nos debates sobre valores, tributação e reajustes. 

 “O sistema empresarial é resultado da congregação de estudos, esforços e determinação em cada segmento que representa. E vivemos um momento em que o governo sinaliza o propósito de entrar no sistema capitalista em caráter definitivo. Por isso, como agentes criadores do desenvolvimento e geradores de empregos, temos que estar à frente, trabalhando para que haja no Brasil um ambiente de negócios favorável", argumenta.

No próximo dia 28 de agosto, durante evento realizado na Câmara dos Deputados, será apresentada a primeira pauta de prioridades, idealizada por um grupo de  trabalho formado por técnicos da CNC, Federação Nacional das Distribuidoras de Combustíveis, Gás Natural e Biocombustíveis (Brasilcom) e Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis).

TEMAS EM DESTAQUE

O vice-presidente Administrativo da CNC, Luiz Gastão Bittencourt, apontou a relevância da CBCC, que trata de um tema estratégico por influenciar toda a cadeia dos demais segmentos do comércio. 

“Este setor norteia a vida de todos nós, porque mexe com consumidores em todas as cadeias produtivas do País, desde o agronegócio, indústria, até o comércio. E talvez seja o setor que mais traz em seu bojo os reflexos dos tributos federais, que controla os impostos em cima de um setor, afetando toda a cadeia produtiva. A discussão é necessária”, reforça o empresário.

 Para o chefe da Divisão Econômica da CNC, Fabio Bentes, dentro do varejo, o segmento de combustíveis e lubrificantes está em duas pontas. Se de um lado é um dos mais importantes empregadores, do outro é o mais impactado pela tributação. 

“Na média, para a economia brasileira, a carga tributária é de 33%, enquanto no segmento de combustíveis, em alguns casos, passa dos 50%, variando de estado para estado. A população tem uma percepção negativa do setor, que o empresário tem uma margem ‘gorda’ no preço final, o que não é verdade. A margem de comercialização é a mais baixa do varejo, em torno de 17%”, explicou o economista.

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ORÇAMENTO

STF se divide sobre permissão para Executivo limitar repasses

Privatizações anunciadas por Guedes começarão com Correios, diz Bolsonaro
BRASIL

Privatizações anunciadas por Guedes começarão com Correios, diz Bolsonaro

ECONOMIA

Expectativa dos consumidores para inflação anual cai em agosto

BRASIL

Bolsonaro: acordo do Mercosul pode ser revisto, dependendo da postura argentina

Mais Lidas