Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

CONSTRUÇÃO CIVIL

Após três anos de crise, decretada a falência do Grupo Bigolin

A dívida ultrapassa a cifra de R$ 59 milhões

14 MAR 19 - 13h:02DANIELLA ARRUDA

Três anos após entrar em crise financeira e pedir recuperação judicial para tentar renegociar dívida que ultrapassa a cifra de R$ 59 milhões, o Grupo Bigolin, um dos mais tradicionais no segmento da construção civil de Mato Grosso do Sul, teve falência decretada pela Justiça. 

Em sentença proferida nesta semana, o juiz da Vara de Falências, Recuperações, Insolvências e Cartas Precatórias Cíveis, José Henrique Neiva de Carvalho e Silva, também autorizou o administrador judicial Pradebon & Cury Advogados Associados a lacrar os estabelecimentos comerciais e arrecadar os bens das empresas falidas que formam o grupo.

Além da empresa Bigolin Materiais de Construção Ltda., também fazem parte da rede a Ângulo Materiais de Construção e Serviços Ltda., Casa Plena Materiais de Construção Ltda., D&D Comércio, Construção e Serviços Ltda. e Nara Rosa Empreendimentos Imobiliários Ltda. 

A reportagem do  Correio do Estado tentou contato com o administrador da empresa,  mas, não conseguiu retorno até o fechamento da edição. Reportagem também entrou em contato com a administradora judicial Pradebon e Cury, que informou que a equipe responsável e que poderia passar informações não estava no momento.

CRISE

Com um montante de R$ 54,7 milhões em dívidas, a Bigolin ingressou com pedido de recuperação judicial em março de 2016. Segundo nota divulgada pela rede na época, o processo de recuperação tinha como objetivo de ajudar a superar “a crise econômico-financeira da empresa, para garantir a manutenção da sua capacidade produtiva, dos empregos e dos interesses dos credores, promovendo a sua preservação, a sua função social e o estímulo à atividade econômica”. 

Em decorrência da divergência de valores de débito e da inclusão de novos credores após a apresentação do plano de recuperação, a dívida aumentou para R$ 59,2 milhões, mas no mesmo ano o grupo conseguiu baixar o valor do débito para R$ 54,7 milhões, após revisar os valores com parte dos 754 credores (entre bancos, fornecedores e ex-funcionários da rede). A Bigolin também tentou angariar recursos por meio do leilão de seu antigo centro de distribuição, situado no anel rodoviário de Campo Grande e então avaliado em R$ 15,5 milhões, mas o certame não teve interessados. 

A Bigolin nasceu no Rio Grande do Sul em 1955 e está em Mato Grosso do Sul desde 1982, contando com unidades espalhadas também por São Paulo, Paraná e Santa Catarina. Até 2016, a rede mantinha seis lojas abertas no Estado, quatro delas na Capital. Duas delas, situadas no Shopping Norte Sul Plaza, em Campo Grande, e a outra em Ilha Solteira (SP), foram fechadas logo após a apresentação do pedido de recuperação judicial.

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Ponte sobre o rio Paraguai, em Porto Murtinho, deve ser inaugurada em 2023
ROTA BIOCEÂNICA

Ponte em Porto Murtinho deve ser inaugurada em 2023

RECEITA FEDERAL

Entregas do IR chegam a 13,54% do total esperado em MS

Até hoje, Receita recebeu 56,6 mil declarações
EM 12 MESES

Inflação do aluguel é de 8,05%

A alta da taxa foi puxada pelos preços no atacado e no varejo
Obra da 1ª usina de MS movida a restos de madeira começa em abril
TRÊS LAGOAS

Usina termelétrica movida
a madeira sairá do papel

Mais Lidas