Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

OPORTUNIDADE

Agências bancárias abrem até mais tarde para renegociação de dívidas

Em Campo Grande serão sete unidades funcionando até às 20h
01/12/2019 13:35 - SÚZAN BENITES


 

Agências bancárias de Campo Grande participam nesta semana  de negociação e orientação financeira organizada pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) em parceria com o Banco Central. Entre os dias 2 e 6 de dezembro sete agências funcionarão até às 20h para que devedores possam renegociar dívidas e débitos com instituições bancárias.

Em Campo Grande, cinco instituições participam da ação. Sete delas funcionam em horário estendido até às 20h. Do Bradesco ficam abertas até mais tarde: a agência na Rua Marechal Rondon, a localizada no Shopping Campo Grande e a do Hipermercado da rua Brilhante. Já o Banco do Brasil disponibilizará a agência da avenida Afonso Pena. Da Caixa Econômica Federal funcionará a agência da avenida 13 de Maio. O Itaú  disponibiliza a abertura até mais tade da agência da rua Barão do Rio Branco. E do Santander a agência da rua Barão do Rio Branco.

Ao todo, 458 agências bancárias de todo o país, de sete instituições financeiras (Banco do Brasil, Banrisul, Bradesco, Banco Pan, Caixa Econômica, Itaú e Santander), terão seu horário estendido para oferecer orientação financeira e negociar dívidas em atraso de seus clientes, em condições especiais.

A negociação ainda poderá ser feita nas demais agências desses bancos localizadas em todo território nacional, no horário normal de funcionamento, nos canais digitais dos bancos e pela plataforma consumidor.gov.br. O Banco Votorantim e Safra também participam da iniciativa, somente por meio dos canais digitais. 

Cada instituição adotará critérios próprios para o pagamento dos débitos. De acordo com o diretor de autorregulação da Febraban, Amaury Oliva, a realização da Semana da Negociação e Orientação Financeira marca uma evolução importante nos esforços realizados pelas instituições financeiras para promover o uso saudável do crédito. “É, em primeiro lugar, um esforço coordenado com o BC visando aproveitar a capacidade de comunicação e capilaridade das instituições financeiras, e o conhecimento que elas detêm de seus clientes e usuários, para ampliar o acesso das pessoas a informações sobre o tema em todo o país”, afirma.  

Ele ainda reforça que cada instituição terá a sua política própria de renegociação, mas há o compromisso de que, durante a semana, haverá condições especiais de negociação. “Com o objetivo de se chegar a acordos sustentáveis e resgatar a capacidade financeira do consumidor. O superendividamento não interessa a ninguém, nem aos consumidores e nem aos bancos, que estão comprometidos com o bem-estar e a prosperidade dos seus clientes e do país”, conclui Oliva.

Felpuda


O sumiço de algumas figurinhas carimbadas da política não acontece em virtude da necessidade de isolamento como uma das formas de prevenção à pandemia. Em verdade, seria porque não têm mesmo o que e a quem falar. Com o advento das redes sociais, quem acha que fazer campanha eleitoral continua como na época do “eu prometo” está a um passo de ver o sonho de conquistar mandato se transformar em pesadelo. Pelo jeito, não estão nem conseguindo dormir.