Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 21 de novembro de 2018

Discussão

Acrissul pede redução de tributos
em reunião com o governador

Azambuja se defendeu das acusações e respondeu a questionamentos

31 MAI 2017Por Renata Prandini12h:50

A Associação de Criadores de Mato Grosso do Sul (Acrissul) solicitou a redução de tributos ao governo do Estado. O assunto foi tratado em reunião realizada ontem, na sede da associação, que contou com a participação do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e do secretário de Governo, Eduardo Riedel. Azambuja, assim como dois ex-governadores (André Puccinelli e Zeca do PT), foi citado em esquema de troca de propina por incentivos fiscais pela JBS e, recentemente, em outra denúncia de cobrança de propina de empresários, donos de unidades frigoríficas e fábricas de couro.

Conforme o presidente da Acrissul, Jonathan Barbosa, a reunião teve como principal objetivo discutir as denúncias recentes  apresentadas em delação premiada de Joesley e Wesley Batista, donos da JBS, e possíveis propostas para reverter os impactos gerados no mercado. “O governador Reinaldo Azambuja pôde se explicar e também responder aos questionamentos dos conselheiros e membros da diretoria”. 

Após ouvir as explicações do governador, a categoria apresentou dois pedidos, que deverão ser entregues em formato de requerimento. Em um deles, a classe produtora solicitará a suspensão temporária, por 60 ou 90 dias, do Fundo de Desenvolvimento do Sistema Rodoviário de Mato Grosso do Sul (Fundersul). Já o outro pedido é que se reduza a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para comercialização do gado em pé para estados vizinhos. “Esses dois requerimentos visam ajudar o produtor rural até que essa turbulência se acalme. Seria o caso de o governo ceder um pouco para que, no caso do ICMS, possamos sair das mãos da JBS”, disse Barbosa.

MONOPÓLIO
Segundo Francisco Maia, ex-presidente e atual conselheiro da Acrissul, essa concentração do mercado nas mãos de um único grupo vinha sendo denunciada pela associação desde 2012, que previa os riscos do monopólio da carne. “Todo o mercado está afetado. Trata-se de um grupo que tem 60% os abates, que emprega mais de 25 mil pessoas. Então, os impactos são muitos fortes”. Um dos problemas, explicou, tem sido com a escala de abates. Além de suspender as escalas futuras, a JBS também cancelou a venda do gado à vista. “O que causa desconfiança por parte do produtor”, destacou.

Maia defende que o governo busque alternativas para incentivar outras empresas, de pequeno porte, para retomar a normalidade. Mas, acredita que seja necessário aguardar o fim das investigações. “Como vão fazer isso quando secretário e governador estão se defendendo de acusações?”, destacou. Para o conselheiro, o governador deveria se licenciar do cargo para cuidar da defesa e provar a sua inocência. 

Sobre as denúncias envolvendo o governo do Estado, a Acrissul informou que vai esperar o fim das investigações antes de tomar um posicionamento.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também