Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, segunda, 10 de dezembro de 2018

BRASIL/BOLÍVIA

Acordo para fornecimento de gás boliviano em MS deve ser definido dia 12

Informação foi divulgada em agenda realizada nesta terça-feira (4)

4 DEZ 2018Por ALINE OLIVEIRA17h:45

Durante agenda realizada nesta terça-feira (4), o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) reuniu-se com o ministro de Hidrocarburos, Luiz Alberto Sánchez, para definir alguns pontos do acordo de importação para fornecimento de gás natural boliviano para Mato Grosso do Sul. 

Ao final da reunião, o ministro sinalizou positivamente para a conclusão do acordo comercial. Diante disso, pode ser definida na próxima semana, em Santa Cruz de La Sierra,  nos dias 12 e 13 de dezembro, para definição do contrato de fornecimento. 

O governo de Mato Grosso do Sul busca há dois anos, uma saída para garantir a manutenção de um volume de importação, que minimize os impactos com a queda do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). 

 Azambuja defende a importação conjunta do gás por distribuidoras regionais, dentre elas a MSGÁS, e tem cobrado do país vizinho a garantia de fornecimento do combustível para a termoelétrica de Ladário, em fase de instalação.

Reinaldo Azambuja destacou ainda a garantia do governo brasileiro de executar projetos estratégicos para a região de fronteira e na integração comercial latino-americana, citando a reconstrução da ferrovia que ligará Santos (SP) a Ilo, no Peru, passando pelo estado de Mato Grosso do Sul e a Bolívia. 

“São investimentos que ampliam as possibilidades comerciais e projetam novos empreendimentos e uma demanda crescente do consumo de gás natural”, pontuou.

PRÓXIMA REUNIÃO

Após as ponderações do governador, pedindo à Bolívia uma definição em relação aos pleitos do Estado, o ministro boliviano afirmou que seu país tem interesse na comercialização do gás extracontrato da Petrobras e hoje tem produção suficiente para garantir esse fornecimento. Luiz Sánchez apenas solicitou que o Estado apresentasse uma projeção de demanda e sinalizou que a Bolívia quer formalizar o acordo ainda neste ano.

Presente à reunião, o diretor-presidente da MSGÁS, Rudel Trindade, adiantou que a companhia tem um levantamento da demanda, com base no consumo das termoelétricas de Ladário e Três Lagoas e de outros empreendimentos, estimado em cinco milhões de m³/dia. 

Somente a termoelétrica de Ladário tem previsão de consumo imediato de 1,3 milhão de m³/dia, com perspectiva de comprar 2,5 milhões de m³/dia em cinco anos para produzir 620 MW.

“O ministro Luiz Sánchez disse ao governador, inclusive, que se quisermos sair do contrato com a Petrobras, podemos fazer um acordo individual”, disse Rudel Trindade. “Isso é uma possibilidade, mas o importante é que a Bolívia nos disse com clareza seu interesse na venda desse gás, com o ministro pedindo que tudo aconteça ainda esse ano”, completou. O dirigente da MSGÁS informou que hoje a companhia compra 700 mil m³/dia de gás boliviano.

*Com informações da Assessoria de Comunicação

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também