Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

EXPANSÃO

Demanda por gás natural
deve triplicar até 2022

Diretoria prevê estatal como a quarta maior do segmento no Brasil para os próximos anos

7 OUT 19 - 09h:00SÚZAN BENITES E YARIMA MECCHI

A Companhia de Gás de Mato Grosso do Sul (MSGás) sinalizou aumento da demanda em 2019. A meta da estatal é ser a quarta maior companhia do País e triplicar a comercialização do gás natural até 2022. 

Atualmente  a estatal distribui 2,232 milhões de metros cúbicos por dia de gás natural no Estado, entre térmico (1,654 milhão de m³/dia) e não térmico (578 mil m³/dia). Conforme edital de abertura do mercado, do qual o processo será concluído em dezembro, a projeção é de que a saída de gás natural de Mato Grosso do Sul salte, em 2022, de valores contratuais de 95 mil m³ para 2,2 milhões de m³. 

Em dois anos, Mato Grosso do Sul deve registrar salto relevante no consumo de gás natural e dobrar o volume distribuído do produto dentro de três anos, após entrar em operação e gradativamente ampliar a demanda da Unidade de Fertilizantes Nitrogenados 3 (UFN3), empreendimento situado em Três Lagoas e atualmente na reta final de negociações para ser repassada pela Petrobras à iniciativa privada. 

“É um mercado que está em ebulição, muito forte, crescendo muito. Com a venda da UFN3, a MSGás vai ficar entre a quarta ou quinta maior companhia do País. A medida que você está vendendo gás você está gerando Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços  (ICMS) na entrada, quando importa da Bolívia e na comercialização. Só a MSGás recolhe anualmente, do que nós comercializamos, R$50 milhões de impostos. Isso vai aumentar muito, nossa previsão é que em dois ou três anos ela triplique a comercialização de gás que temos hoje. ”, afirmou o diretor-presidente da companhia, Rudel Trindade. 

EXPANSÃO

Outra estratégia da companhia é a expansão da atuação dentro do Estado. O diretor-presidente da MSGás afirmou que a estatal está em um novo momento, em que as operações de Campo Grande e Três Lagos já estão consolidadas.  “O Governador está exigindo expansão, nós temos um Estado que está crescendo economicamente, a gente nota isso pela resposta comercial em Campo Grande. Esse mês nós fechamos 10 mil clientes no Estado e o governador solicita que a gente comece novos estudos de expansão da nossa rede que é importante para os municípios. Então neste ano ainda a gente espera contratar os projetos executivos do ramal Sul  (Sidrolândia -Maracaju-Dourados). Aqui por exemplo em Aquidauana-Anastácio o Gasbol está passando bem próximo, então é um mercado importante que você atinge frigorífico, você tem hotéis, hospitais, então estamos com essa necessidade de expansão.

Para Rudel ainda há outras possibilidades de aumentar a rede no Estado. “Estamos trabalhando arduamente para viabilizar a termelétrica em Corumbá que é uma questão estratégica. Tem também uma fábrica de celulose que está se instalando em Ribas do Rio Pardo e estamos estudando a viabilidade para atender essa indústria”, afirmou. 

PRIVATIZAÇÃO

Em meio aos planos de expandir a empresa estatal de Mato Grosso do Sul, que no ano passado teve lucro líquido de R$ 12,7 milhões. Com os investimentos que estão por vir, e o aumento da demanda, a perspectiva é de que os resultados nos próximos anos sejam ainda melhores.

Projeto para vender a estatal foi aberto no ano passado. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) conduz os estudos, que incluem avaliação da empresa, perspectivas de mercado, entre outras variações. A venda de empresas estatais também é uma das condições para os estados aderirem a um pacote de benefícios aprovado no primeiro semestre pelo governo federal, o Plano Mansueto. 

QUEDA

O valor do gás natural cobrado dos 10 mil clientes da MSGás deve cair entre 20% e 30% com a conclusão da chamada pública para transporte de gás pelos dutos da Transportadora Brasileira Gasoduto Bolívia-Brasil (TBG) e com o novo contrato de compra do fluído, a ser concretizado em julho do próximo ano. Essa redução ainda depende do resultado da chamada pública aberta pela TBG, que vai terminar no dia 20 de dezembro, da qual a estatal sul-mato-grossense participa disputando o transporte de gás natural com outras 13 empresas que manifestaram interesse em fazer esse serviço a partir de janeiro de 2020, quando se encerra o contrato da TBG com a Petrobras.

O processo integra o projeto do governo federal para reduzir o valor médio do gás natural. Na prática, a medida consiste em acabar com o monopólio da Petrobras na venda de gás, permitindo a concorrência entre diversas empresas. Para tanto, em junho, o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) aprovou resolução para abrir o mercado de transporte e distribuição de gás natural.

NEGOCIAÇÃO

Outro fator é o fim do atual contrato de compra de gás pela MSGás, que vai até junho de 2020. A estatal já começa a discutir um novo acordo com as empresas que abastecem os dutos da TBG, que são a YPFB, Shell, Petrobras e Total, para definir um valor menor pelo produto.  O representante da MSGás explicou que o contrato da Petrobras com a Bolívia acaba no fim do ano. “O nosso contrato com a Petrobras vai até junho de 2020. Em conjunto com cinco distribuidoras do Sul do País, nós já nos antecipamos para uma compra coordenada. Essa compra coordenada é você chamar empresas que queiram suprir o gás natural  das distribuidoras, que hoje está sendo suprido pela Petrobras, então se elas tiverem melhores condições de preços e condições comerciais para nossa distribuidora, a gente fecha. Esperamos que até o fim deste ano estejamos com isso tudo concluído”, completou Rudel Trindade.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ECONOMIA

Bancos privados fazem ofensiva e, com cooperativas, já têm 30% do crédito rural

Tributação sobre renda das empresas é uma das mais altas do mundo
CNI

Tributação sobre renda das empresas é uma das mais altas do mundo

Receita pode compartilhar dados fiscais com órgãos de controle
PARECER

Receita pode compartilhar dados fiscais com órgãos de controle

Setor turístico comemora fim da bitributação
IMPOSTO

Setor turístico comemora
fim da bitributação

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião