CRESCIMENTO NO SETOR

Abear: retomada de aéreas depende de capital estrangeiro e segurança jurídica

Abear: retomada de aéreas depende de capital estrangeiro e segurança jurídica
14/06/2019 06:00 - ESTADÃO CONTEÚDO


O presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), Eduardo Sanovicz, avalia que a retomada do crescimento no setor neste ano está baseada em um tripé fundamental que inclui, além da recuperação econômica, a entrada do capital estrangeiro e a segurança jurídica. "Isso é valido também para 2020 e 2021", afirmou, em entrevista exclusiva ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

No campo da segurança jurídica, Sanovicz considera crucial a manutenção e cumprimento das regras de cobrança de bagagem e distribuição de slots, alinhado aos padrões internacionais da aviação.

Aliado a isso, a aprovação esperada para os próximos dias da redução da alíquota do ICMS no querosene de aviação em São Paulo - mercado que representa um terço da aviação nacional - também é essencial para o crescimento do setor. "Essa atitude do governo paulista impacta positivamente a economia do País inteiro em termos de mobilidade e negócios", disse.

"Entramos em 2019 com a economia ainda andando de lado, portanto nós enquanto indústria teremos de continuar sendo muito disciplinados em termos de capacidade e gestão de custos", alertou. Sanovicz aponta que por se tratar de um ano de expectativa com reformas estruturais e novas concessões aeroportuárias, o impacto da alta de custos no setor aéreo "ainda é uma incógnita".

Novas aéreas

Na avaliação de Sanovicz, a liberação de capital estrangeiro nas aéreas pode mudar o setor. Mas, para ele, a atração de novas companhias para o Brasil está diretamente ligada à segurança jurídica e à recuperação da economia. Nesse sentido, disse, é preciso deixar clara a regra sobre a cobrança de bagagem. Segundo ele, a isenção da cobrança coloca o País ao lado de Venezuela, Rússia e da China, que seguem um padrão que ficou ultrapassado no início dos anos 1990.

Com relação à chegada de um nova aérea ao País, o dirigente calcula que a companhia deve demorar de 9 a 12 meses para começar a voar. Em 22 de maio, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) aprovou por unanimidade a concessão de outorga para voos domésticos à espanhola Air Europa. "A recuperação judicial da Avianca tirou 50 aviões do mercado e cada uma das aéreas nacionais dentro de sua estratégia comercial trabalha em um plano de ampliação para tentar absorver essa demanda", afirmou.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".