BOVINOS

Abates crescem 2,9% no primeiro trimestre em MS, diz IBGE

Foram abatidas 25,5 mil cabeças a mais no período
13/06/2019 11:21 - DANIELLA ARRUDA


 

Frigoríficos de Mato Grosso do Sul abateram 893,5 mil cabeças de gado no primeiro trimestre deste ano, aumento de 2,9% em relação ao mesmo período do ano passado, informou nesta quinta-feira (13) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Com o resultado ( 25,59 mil cabeças a mais), o Estado ficou entre as 14 das 27 unidades da federação que apresentaram aumento no volume de abates.

Além de Mato Grosso do Sul, os demais destaques em aumento de abates de bovinos foram Mato Grosso (+144,40 mil cabeças), Tocantins (+35,59 mil cabeças), Rondônia (+27,87 mil cabeças), Paraná (+11,60 mil cabeças) e Santa Catarina (+3,90 mil cabeças).

Em números absolutos, foram abatidas no país 121,06 mil cabeças de bovinos a mais no primeiro trimestre de 2019 em relação ao mesmo período do ano anterior, de acordo com as Pesquisas Trimestrais do Abate de Animais.

O País registrou um abate de 7,89 milhões de cabeças de bovinos sob algum tipo de serviço de inspeção sanitária no primeiro trimestre de 2019, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado foi 1,6% superior ao obtido no primeiro trimestre de 2018. Em relação ao quarto trimestre de 2018, porém, houve redução de 3,6%.


RETRAÇÃO

As quedas mais intensas ocorreram no Pará (-36,93 mil cabeças), Minas Gerais (-25,53 mil cabeças), Goiás (-23,29 mil cabeças), Rio Grande do Sul (-14,51 mil cabeças), São Paulo (-11,23 mil cabeças), Acre (-9,56 mil cabeças), Maranhão (-9,46 mil cabeças) e Bahia (-9,27 mil cabeças).

Mato Grosso manteve a liderança no abate de bovinos, com 17,1% da participação nacional, seguido por Mato Grosso do Sul (11,3%) e São Paulo (9,8%). (Com informações Estadão Conteúdo)

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".